Aprenda a fazer a paella marinheira espanhola

Considerado o prato espanhol mais preparado no mundo, a paella foi criada por camponeses da região de Valência há cerca de 500 anos.

Com o passar do tempo, a tradicional base de arroz recebeu inúmeras variações.

Uma delas, a marinheira, leva peixe e frutos do mar.

O blog da Clínica Branemark trouxe para você uma receita deliciosa e super simples de ser  feita,  a receita do restaurante Figueira Rubaiyat, que pode ser acompanhada por um caldo de peixe.

A deliciosa paella marinheira espanhola
A deliciosa paella marinheira, uma das inúmeras variações do prato de origem espanhola

Rendimento: 8 porções

PAELLA MARINHEIRA

Ingredientes
– 300 g de robalo, cortado em cubos
– 12 camarões grandes, com cabeça e casca
– 12 mexilhões com casca
– 6 cavaquinhas com casca
– 12 vieiras com conchas
– 300 g de lulas em anéis
– 500 g de arroz “bomba” espanhol ou arroz agulha parabolizado, tipo 1
– 3 litros de caldo de peixe
– 2 g de açafrão diluído em um pouco do caldo quente
– 200 g de cebola picada
– 10 dentes de alho picados
– 200 g de vagem, tipo macarrão, cortada em bocados
– Azeite para untar
– Sal e pimenta a gosto
– 1 e ½ pimentão vermelho, em rodelas
– 2 colheres (sopa) de salsa picada

Modo de preparo
– Unte a paelleira (panela própria para paella) com azeite
– Coloque os camarões, as cavaquinhas e mexa durante uns 5 minutos ou até ficarem dourados. Retire e reserve
– Na mesma paelleira, coloque a cebola, o alho, o peixe, as lulas e mexa mais uns 5 minutos, também até dourarem.
– Acrescente o arroz e misture bem. Junte a vagem, o caldo de peixe em quantidade suficiente para cobrir todos os ingredientes e deixe cozinhar durante aproximadamente 15 minutos, até o arroz ficar cozido
– Acrescente as vieiras,os mexilhões, e deixe cozinhar, mexendo, mais 5 minutos
– Enfeite com salsa picada e as rodelas de pimentão e sirva na própria paelleira

CALDO DE PEIXE

Modo de Ingredientes
– 5 cebolas cortadas em 4
– 3 tomates cortados em 4
– 2 pimentôes vermelhos cortados em 4
– 2 talos de alho-poró
– 3 talos de salsão
– 2 cenouras cortadas em 3
– 2 cabeças de alho
– 500 g de cascas de camarão
– 5 kg de carcaças de peixe, de preferência robalo
– 20 a 30 litros de água

Modo de preparo
– Coloque todos os ingredientes em uma panela grande e cozinhe em fogo brando durante, no mínimo, 3 horas

Fonte: Folha.com

 

Alimentos que Combatem a Cárie

Não é nada agradável ter que se privar de coisas gostosas como biscoitos e doces. Mas quando se trata da cárie, nossas escolhas em matéria de comida têm um papel muito importante. Há alimentos que fazem mal aos dentes, enquanto outros possuem nutrientes essenciais que os conservam fortes e saudáveis. Para combater a cárie, dê preferência aos seguintes alimentos:

Cálcio
O cálcio é um ingrediente nobre na prevenção da cárie, principalmente para crianças em fase de crescimento. Uma grande fonte de cálcio são o leite e seus derivados, como iogurte e queijo, e ele não fica depositado na gordura do alimento, o que faz do leite desnatado e do iogurte light ótimas opções. Outras opções são verduras verdes, como brócolis e couve chinesa, peixe, amêndoa, castanha-do-pará e feijão.

Frutas, Fibras e Hortaliças
A ingestão de alimentos ricos em fibras aumenta o fluxo de saliva, o que por sua vez aumenta a produção de defesas minerais que combatem a cárie. Grandes fontes de fibra são as frutas secas, como damasco, uva passa e figo, e as frutas frescas, como banana, maçã e laranja. Outras opções são leguminosas e verduras, como feijão, couve de bruxelas, ervilha, amendoim, amêndoa e farelo de trigo.

Grãos Integrais
São ricos em vitamina B e ferro, importantes para a saúde da gengiva. Os grãos integrais também possuem magnésio, um ingrediente muito importante para os ossos e dentes, fora o fato de serem muito ricos em fibra. Farelo de trigo, arroz integral e cereais integrais e massas feitas com cereal integral são excelentes fontes de grãos integrais.

Doces
Quando dá aquela vontade de comer, pense em alimentos saudáveis, como os mencionados acima. Tente afastar-se dos doces, porque o açúcar se associa à placa e enfraquece o esmalte do dente, deixando-o mais vulnerável à formação de cáries. Na verdade, toda vez que comemos alguma coisa doce, nossos dentes passam os 20 minutos seguintes sob estado de sítio.

A Pirâmide Alimentar
Ao procurar uma dieta saudável para seguir, que faça bem aos dentes e ao corpo todo, procure ater-se à pirâmide alimentar. Sua estrutura indica as proporções de todos os grupos alimentares que precisamos ingerir ao longo do dia.

Fonte: oralb.com

Violinista André Rieu fará 22 shows no Brasil

Aos 62 anos, o violinista holandês André Rieu se considera um popstar da música clássica. E tem motivos para isso. Em seus 34 anos de carreira, o maestro conseguiu, tocando apenas repertório erudito, vender em todo o mundo 30 milhões de CDs e DVDs e fazer shows em mais de 30 países. Agora, pela primeira vez, ele trará seu espetáculo ao Brasil com um aparato digno de astros pop: 15 contêineres de equipamentos e 180 pessoas, entre músicos e técnicos. Ao todo, serão 22 apresentações no Ginásio do Ibirapuera, a partir de hoje, às 21h. “Sou um popstar que toca música clássica e minha inspiração é Strauss”, disse Rieu ontem, em entrevista coletiva em São Paulo. O célebre compositor austríaco batiza a orquestra de Rieu, a The Johann Strauss Orchestra.

O produtor Manoel Poladian, responsável pela vinda do artista ao Brasil, destacou que, a princípio, estavam previstas apenas seis apresentações no País, mas a grande procura por ingressos fez com que a temporada se estendesse. Serão dez dias seguidos, de hoje a 10 de junho, com apenas uma folga, no dia 4. Após a maratona, Rieu volta a sua cidade natal, Maastricht, na Holanda, para gravar um DVD na praça Vrijthof, com público previsto de 10 mil pessoas. A próxima parada por aqui, no entanto, será logo. Em julho, terá uma nova série de shows.

Com números dignos de turnês de nomes como Madonna e U2, André Rieu, quando tiver encerado sua turnê, poderá bater o recorde de público do Ginásio do Ibirapuera, levando ao todo 176 mil pessoas, oito mil por apresentação (em caso de todas as noites estiverem lotadas). O recorde atual é de Roberto Carlos, que cantou para 85 mil pessoas.

De Strauss a Michel Teló

O espetáculo de Rieu é uma mistura de show pop e música erudita. Ao mesmo tempo em que executa com perfeição peças clássicas, Rieu interage com a plateia, criando um ambiente informal e divertido. No repertório, valsas vienenses e trilhas de filmes dividem espaço. Talvez por isso ele desperte tanta fúria em músicos tradicionais. “Não sei o que eu faço para o público gostar do meu show, mas sei que me apresento olhando nos olhos deles e não de costas para a plateia”, diz Rieu. “É sempre difícil achar alguém que acredite na minha música. Eu acredito e acho que o público também”.

Para agradar aos brasileiros, Rieu preparou algumas surpresas. Uma delas deverá ser a execução de uma música de Michel Teló. “Escutei essa música no meu escritório. A música brasileira toca em todo mundo”, diz. Aliás, na banda de Rieu está a soprano brasileira Carmen Monarcha. “Descobri ela em um show em Hamburgo, na Alemanha. Ela estava na plateia cantando muito melhor do que a artista principal”, lembra maestro André Rieu.

Para hoje, só há ingressos com visão parcial do palco. Nas demais datas, quase todos os setores estão disponíveis. Segundo Manoel Poladian, cerca de 70% deles já foram vendidos. Mas, apesar do apelo popular, os preços estão longe disso, de R$ 140 a R$ 600.

Fonte: Estadão

Cárie pode colocar seu coração em risco

Você já teve algum dente cariado? Se a resposta for sim, saiba que não está sozinho. Ela é considerada a doença – sim, doença – mais comum no planeta, atingindo 5 bilhões de pessoas. Para ter ideia, 88% dos brasileiros já sofreram com o problema ao menos uma vez, segundo o Ministério da Saúde.

Para criar uma maior consciência sobre a gravidade desse buraquinho no esmalte dentário, chega ao país a Aliança para um Futuro Livre de Cárie, iniciativa internacional que reúne experts em odontologia ao redor do globo com a missão de alertar os profissionais de saúde e desafiar os responsáveis por políticas públicas sobre a necessidade de educar a população para prevenir o problema. “Nossa meta é ensinar às pessoas que o diagnóstico é simples e deve ser feito o mais rápido possível”, conta o odontologista Marcelo Bönecker, professor da Universidade de São Paulo e presidente da Aliança no Brasil. Ousada, a empreitada almeja que crianças nascidas a partir de 2026 sejam livres de cárie.

A origem do buraco

Tudo tem início quando a saliva não realiza uma de suas funções primordiais, que é ajudar a manter o pH da boca estável e, com isso, o esmalte, uma espécie de escudo da dentição, intacto. Fatores como má alimentação e falta de higiene impedem que esse detergente natural equilibre o pH, abrindo alas para a acidez. Ela contribui para a explosão demográfica de bactérias que vivem ali sossegadas e são responsáveis por converter o açúcar dos alimentos em mais e mais ácidos. E esse círculo causa estragos.

“Os micro-organismos destroem o esmalte e, se não controlados, podem consumir o dente todo”, explica o odontologista Luiz Akaki, de São Paulo. Essas verdadeiras erosões são agravadas por determinados quadros de saúde. Asmáticos, por exemplo, estão mais sujeitos a sofrer com elas. “Quando respiramos pela boca, a secreção salivar diminui, baixando a proteção do dente contra bactérias”, aponta Bönecker. “Com a secura, a tendência é tomar bebidas doces, o que piora de vez a situação”, completa. Outra doença que a presença de muita cárie pode denunciar é o diabete. Nele, os níveis de glicose vão às alturas e são outro sabotador da produção de saliva. Às vezes, porém, é a cárie que causa novas confusões. Ora, os bichos cariogênicos financiam problemas no coração.

Para afastar o risco de cárie e doenças periodontais, escovar os dentes corretamente é importante, mas a limpeza profissional também não deve ser desprezada. Recentemente, a American Heart Association publicou um estudo revelando um dado inusitado: pessoas que se submetiam com frequência a esse procedimento no consultório apresentavam uma probabilidade 24% menor de ataque cardíaco e 13% mais baixa de um acidente vascular cerebral. Nada mal…

Essa relação surpreendente tem uma explicação simples. Uma gengiva inflamada, ou uma cárie que já atingiu a raiz do dente, libera no corpo uma porção de substâncias inflamatórias. “Esses agentes desestabilizam a placa de gordura que existe nas artérias, favorecendo seu rompimento”, esclarece o dentista Ricardo Neves, diretor da Unidade de Odontologia do Instituto do Coração (Incor), em São Paulo. A inflamação pode dificultar o fluxo de sangue até que ele pare totalmente, ao gerar coágulos ou placas que tampam 100% da passagem. É esse acidente de trânsito que deflagra infartos e derrames.

O elo entre saúde bucal e doenças cardiovasculares é tão relevante que desde 1977 existe no Incor uma divisão especialmente focada em tratar problemas na cavidade oral em pacientes cardíacos. A preocupação é justamente evitar o risco de endocardite, infecção grave com índice considerável de mortalidade (veja o infográfico na página ao lado). “A boca é responsável por 40% das ocorrências desse mal, e nossa função é evitar que todo o esforço no tratamento vá por água abaixo”, expõe Neves. O cardiologista Max Grinberg, diretor da Unidade de Valvopatias do centro de referência paulistano, completa: “Sempre recomendamos que os pacientes com disfunções nas válvulas cardíacas façam visitas regulares ao odontologista”.

Mesmo quem tem o peito batendo no ritmo certo não deve fugir da cadeira do dentista. “Apenas esse profissional consegue retirar todo o tártaro, placa bacteriana que enrijece após 48 horas sem remoção, e realizar o polimento, que evita por um bom tempo a adesão de novas placas”, explica Luiz Akaki. Capriche no uso do fio dental – só ele é capaz de limpar o espaço entre os dentes. Enxaguatórios bucais, de preferência sem álcool, também ajudam a limar a placa e alcançam lugares aonde a escova e o fio não chegam. Com a higiene em dia, é possível eliminar o perigo na boca – e no coração.

Doença periodontal 

Assim como a cárie, essa infecção é causada pela placa bacteriana. Além de danificar a gengiva e os tecidos da maxila e mandíbula, causando sangramento e inchaço, ela provoca uma série de chabus. “Isso porque, de novo, as bactérias podem cair na corrente sanguínea e chegar a diferentes órgãos”, alerta o odontologista Sigmar de Mello Rode, professor da Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho, em São José dos Campos, no interior de São Paulo.

Passo a passo para uma limpeza certeira

1)Vai e vem correto

A maneira mais eficaz de fazer o acessório trabalhar direito é movimentá-lo no sentido oposto ao da gengiva. Sempre.

2)De par em par

Na hora de empunhar a escova, encare os dentes de dois em dois. Assim, o tempo investido na higiene tende a ser maior.

3)Não se esqueça da língua

O ideal é utilizar um limpador especial, porque as bactérias grudam nela também. Na falta dele, a escova cumpre bem esse papel.

Fonte: saude.abril.com

O que é uma boa higiene bucal?

Hálito puro e sorriso saudável são o resultado de uma boa higiene bucal. Isso significa que, com uma higiene bucal adequada:

  • Seus dentes ficam limpos e livres de resíduos alimentares;
  • A gengiva não sangra nem dói durante a escovação e o uso do fio dental;
  • O mau hálito deixa de ser um problema permanente.

Consulte o seu dentista caso as suas gengivas doam ou sangrem quando você escova os dentes ou usa fio dental, e principalmente se estiver experimentando um problema de mau hálito. Essas manifestações podem ser a indicação da existência de um problema mais grave.

Seu dentista pode ensiná-lo a usar técnicas corretas de higiene bucal e indicar as áreas que exigem atenção extra durante a escovação e o uso do fio dental.

Como garantir uma boa higiene bucal?
Uma boa higiene bucal é uma das medidas mais importantes que você pode adotar para manter de seus dentes e gengivas em ordem. Dentes saudáveis não só contribuem para que você tenha uma boa aparência, mas são também importantes para que você possa falar bem e mastigar corretamente os alimentos. Manter uma boca saudável é importante para o bem-estar geral das pessoas. Os cuidados diários preventivos, tais como uma boa escovação e o uso correto do fio dental, ajudam a evitar que os problemas dentários se tornem mais graves. Devemos ter em mente que a prevenção é a maneira mais econômica, menos dolorida e menos preocupante de se cuidar da saúde bucal e que ao se fazer prevenção estamos evitando o tratamento de problemas que se tornariam graves. Existem algumas medidas muito simples que cada um de nós pode tomar para diminuir significativamente o risco do desenvolvimento de cáries, gengivite e outros problemas bucais.

 

  • Escovar bem os dentes e usar o fio dental diariamente.
  • Ingerir alimentos balanceados e evitar comer entre as principais refeições.
  • Usar produtos de higiene bucal, inclusive creme dental, que contenham flúor.
  • Usar enxagüante bucal com flúor, se seu dentista recomendar.
  • Garantir que as crianças abaixo de 12 anos tomem água potável fluoretada ou suplementos de flúor, se habitarem regiões onde não haja flúor na água.
Técnicas corretas de escovação:
brush1 brush2 brush3
Coloque a escova em um ângulo de 45 graus em relação à gengiva. Movimente a escova, afastando-a da gengiva. Escove delicadamente as partes internas, externas e de mastigação de cada dente com movimentos curtos de trás para frente. Com cuidado, escove a língua para remover bactérias e purificar o hálito.
Uso correto do fio dental:
floss1 floss2 floss3
Use aproxima- damente 40 centímetros de fio, deixando um pedaço livre entre os dedos. Siga, com cuidado, as curvas dos dentes. Assegure-se de limpar além da linha da gengiva, mas não force demasiado o fio contra a gengiva.

Fonte: Terra

Entenda a importância dos protetores bucais na prática de esportes


O protetor bucal é um aparelho de plástico flexível ou material laminado usado nas práticas desportivas para evitar ferimentos na boca ou nos dentes. A Associação Americana de Odontologia (ADA) estima que um terço de todos os traumatismos bucais estão relacionados com práticas desportivas.1

O uso de protetor bucal poderia evitar mais de 200.000 ferimentos bucais a cada ano. Entre os tipos de traumatismos que podem ocorrer sem o uso do protetor bucal estão a quebra ou rachadura de dentes, fraturas de próteses, ferimentos nos lábios e bochechas, danos à raiz dos dentes, fraturas de arcada e concussões.

Todo atleta está exposto ao risco de traumatismo bucal e qualquer traumatismo pode ser evitado com o uso do protetor.

75% dos traumatismos ocorreram quando o protetor bucal não estava sendo usado

Os protetores são obrigatórios em esportes em que há colisões, como o futebol americano, hóquei e box, e risco de traumatismo.

As crianças e adultos que praticam esportes de contato, como o basquetebol, o beisebol, o softbol, o futebol, o voleibol e a luta livre, devem considerar o uso de protetor bucal para evitar lesões na boca.

Um estudo realizado entre atletas do ensino médio revelou que 75% dos traumatismos ocorreram quando o protetor bucal não estava sendo usado e 40% durante jogos de beisebol e basquetebol.

Nove por cento de todos os atletas sofreram algum tipo de lesão bucal e outros 3% relataram perda da consciência.

Cinquenta e seis por cento de todas as concussões ocorreram quando os protetores bucais não estavam sendo usados.

O traumatismo relacionado com esportes é mais frequente do que relatado anteriormente. O protetor bucal é essencial para todos os atletas, sejam eles crianças ou adultos. Para obter mais informações sobre o protetor bucal correto para você, consulte seu dentista.

 

Fonte: saude.abril.com.br

A SAÚDE GERAL E BUCAL DA MULHER

Há uma relação entre minha saúde bucal e minha saúde geral?

No caso das mulheres, um número cada vez maior de estudos relaciona as enfermidades gengivais com uma variedade de problemas que afetam a saúde da mulher. Como a gengivite é uma infecção causada por bactérias, estas podem entrar na corrente sangüínea e tornar-se causa de outras complicações:

  • Problemas Cardíacos: Indivíduos com gengivite correm um risco maior de ter problemas cardíacos, com o dobro de possibilidade de sofrerem ataques fatais.
  • Derrame: Um estudo revelou a existência de uma relação causal entre infecções bucais e risco de derrame ou também conhecido como acidente vascular cerebral (AVC).(1)
  • Diabetes: Os diabéticos são mais propensos a terem gengivite e nestes indivíduos é mais difícil controlar o açúcar no sangue. A gengivite pode ser um fator de risco para o diabético, mesmo em indivíduos com açúcar controlado.(2)
  • Problemas respiratórios: Bactérias que se desenvolvem na cavidade bucal podem chegar até os pulmões e causar doenças das vias respiratórias, tal como a pneumonia, especialmente em pessoas que têm gengivite.(3)
  • Resultados da gestação: As gestantes com gengivite podem estar mais propensas a partos prematuros ou terem bebês de menor peso ao nascer. A gengivite também pode aumentar o nível dos líquidos biológicos que estimulam o parto.(3)

Como a gengivite em geral não dói, muitas mulheres só notam que têm o problema quando este já está em estado avançado. A melhor defesa é a cuidadosa higiene bucal diária com uma boa escovação e o uso de fio dental, e as consultas regulares com seu dentista.

Os requisitos relacionados à saúde bucal mudam com o passar do tempo?

A mulher tem necessidades especiais relacionadas à saúde bucal nas diversas fases da vida. As mudanças nos níveis de hormônio que ocorrem na puberdade, seguidas da menstruação, gravidez e menopausa tornam as gengivas mais sensíveis à placa bacteriana. Nessas etapas da vida, as mulheres não podem esquecer de escovar e usar fio dental todos os dias, para evitar a gengivite. Outras informações importantes:

  • Menstruação: Algumas mulheres notam que sua gengiva incha e sangra antes da menstruação. Outras têm aftas ou inflamações da mucosa bucal. Estes sintomas geralmente desaparecem no início da menstruação.
  • Contraceptivos orais: A inflamação da gengiva é um dos efeitos colaterais mais comuns dos contraceptivos orais.
  • Gravidez: Estudos mostram que muitas mulheres grávidas têm gengivite quando a placa bacteriana se forma sobre os dentes e irrita a gengiva. Os sintomas são gengivas avermelhadas, inflamadas e com sangramento. O cuidado pré-natal é sempre extremamente importante.
  • Menopausa: Os sintomas bucais experimentados durante este estágio na vida de uma mulher são gengiva avermelhada ou inflamada, desconforto, sensação de ardência, sensação de alteração do paladar e boca seca.
  • Osteoporose: Várias pesquisas sugerem a existência de uma relação entre a osteoporose e a perda óssea nos maxilares. Os pesquisadores sugerem que isto pode levar à perda de dentes por causa da provável diminuição da densidade dos ossos onde os dentes estão inseridos. Juntamente com a osteoporose, a doença periodontal acelera o processo de perda de estrutura óssea ao redor dos dentes.

A importância do uso do enxaguante bucal

A cárie dentária e doenças gengivais são causadas principalmente pela placa bacteriana que nada mais é do que uma película esbranquiçada que adere-se às superfícies dos dentes e é formada principalmente por bactérias e restos alimentares.

Se a placa bacteriana não for removida ela se calcifica formando o tártaro.

Portanto, uma boa higiene bucal é muito importante para evitar o surgimento da cárie dentária e problemas gengivais.

A higiene bucal deve ser feita utilizando escovas dentárias com cerdas macias e pontas arredondadas, e um creme dental que contenha flúor. É importante realizar a técnica de escovação dentária correta e realizar movimentos suaves para evitar ferimento nas gengivas.

Complementando a escovação dentária, deverá ser utilizado o fio dental e o enxaguatório bucal com flúor.

O enxaguatório bucal com flúor é muito importante principalmente à noite, pois é nesse período que as bactérias se tornam oportunistas e atacam a superfícies dos dentes causando cárie dentária e problemas gengivais.

Os benefícios dos enxaguatórios são muitos, dentre os quais podemos destacar: ajudam a eliminar as bactérias que causam a gengivite, a placa bacteriana, o mau hálito e a cárie dentária, atuando onde a escova dentária não alcança, pois permanece por mais tempo na boca uma vez que não enxaguamos a boca após a utilização.

Existem diversos enxaguatórios bucais no mercado com diversas formulações e diversos sabores, mas é importante que o mesmo contenha flúor para ajudar a reduzir o risco de cárie dentária.

É importante que, em caso de dúvidas, seu dentista seja consultado para que ele possa esclarecê-las e indicar o enxaguatório bucal ideal para o seu caso.

Portanto, não se esqueça que o enxaguatório bucal é um complemento importante da sua escovação dentária diária, devendo ser utilizado pelo menos uma vez ao dia.

Fonte: Terra

Câncer de boca

O que é o câncer bucal?

É um tipo de câncer que geralmente ocorre nos lábios (mais freqüentemente no lábio inferior), dentro da boca, na parte posterior da garganta, nas amígdalas ou nas glândulas salivares. É mais freqüente em homens do que em mulheres e atinge principalmente pessoas com mais de 40 anos de idade. O fumo, combinado com o excesso de bebida alcóolica, é um dos principais fatores de risco.

Se não for detectado de maneira precoce, o câncer bucal pode exigir tratamentos que vão da cirurgia (para a sua remoção) à radioterapia ou quimioterapia. Este câncer pode ser fatal, com uma taxa de sobrevivência de cinco anos de 50%*. Uma das razões pelas quais este prognóstico é tão negativo é o fato de que os primeiros sintomas não serem reconhecidos logo. O diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento.

Quais os sintomas deste tipo de câncer?

Nem sempre é possível visualizar os primeiros sinais que indicam a existência do câncer bucal, o que aumenta a importância das consultas regulares com o dentista ou o médico. Seu dentista foi preparado para detectar os primeiros sinais do câncer bucal. Contudo, além das consultas regulares, é preciso que você fale com seu dentista se perceber qualquer dos sinais abaixo:

  • Ferida nos lábios, gengiva ou no interior da boca, que sangra facilmente e não parece melhorar;
  • Um caroço ou inchaço na bochecha que você sente ao passar a língua;
  • Perda de sensibilidade ou sensação de dormência em qualquer parte da boca;
  • Manchas brancas ou vermelhas na gengiva, língua ou qualquer outra parte da boca;
  • Dificuldade para mastigar ou para engolir;
  • Dor sem razão aparente ou sensação de ter algo preso na garganta;
  • Inchaço que impede a adaptação correta da dentadura.
  • Mudança na voz.

Como evitar o câncer bucal?

Se você não fuma nem masca tabaco, não comece a fazê-lo. O uso do tabaco é responsável por 80 a 90% das causas de câncer bucal.

  • Fumo – A ligação entre o fumo, o câncer pulmonar e as doenças cardíacas já foi estabelecida (1). O fumo também afeta sua saúde geral, tornando mais difícil o combate a infecções e a reparação de ferimentos ou de cirurgias. Em adultos jovens, este hábito pode retardar o crescimento e dificultar o desenvolvimento. Muitos fumantes afirmam não sentir mais o odor ou sabor tão bem como antes. O fumo também pode causar mau hálito e manchar os dentes.Sua saúde bucal está em perigo cada vez que você acende um cigarro, um charuto ou um cachimbo. Com esta atitude, suas chances de desenvolver câncer na laringe, na boca, na garganta e no esôfago aumentam. Comomuitas pessoas não notam ou simplesmente ignoram os sintomas iniciais, o câncer bucal muitas vezes se espalha antes de ser detectado.
  • Mascar tabaco – O hábito de mascar tabaco eleva em 50 vezes a possibilidade de se desenvolver o câncer bucal.

O melhor a se fazer é não fumar nem usar quaisquer outros produtos derivados do tabaco. Quando uma pessoa pára de usar esses produtos, mesmo depois de vários anos de consumo, o risco de contrair câncer bucal se reduz significativamente. O consumo excessivo de bebidas alcoólicas também aumenta o risco de câncer bucal. A combinação fumo/álcool torna esse risco ainda muito maior.

Como se trata o câncer bucal?

Depois do diagnóstico, uma equipe de especialistas (que inclui um cirurgião dentista) desenvolve um plano de tratamento especial para cada paciente. Quase sempre a cirurgia é indispensável, seguida de um tratamento de radio ou quimioterapia. É essencial entrar em contato com um profissional que esteja familiarizado com as mudanças produzidas na boca por essas terapias.

Que efeitos colaterais a radioterapia produz na boca?

Quando a radioterapia é usada na área de cabeça e pescoço, muitas pessoas experimentam irritação ou ressecamento da boca, dificuldade de deglutir e perda do paladar. A radiação também aumenta o risco de cáries e, por isso, é muito mais importante cuidar bem da boca e da garganta neste período.

Converse com seu dentista e seu médico oncologista sobre os problemas bucais que você possa ter durante ou depois do tratamento. Antes de começar a radioterapia, não se esqueça de discutir com seu dentista os possíveis efeitos colaterais e a forma de evitá-los.

Como manter a saúde bucal durante a terapia?

Use uma escova macia depois das refeições e fio dental diariamente. Evite condimentos e alimentos ásperos como vegetais crus, nozes e biscoitos secos. Evite o fumo e o álcool. Para não ficar com a boca seca os doces e chicletes não devem conter açúcar.

Antes de começar a radioterapia, consulte seu dentista e faça uma revisão completa dos seus dentes e peça ao dentista para conversar com seu oncologista.

Fonte: Terra