Reconheça os tipos de dor de cabeça

dor de cabeça

Estresse, sinusite, enxaqueca e várias outras causas podem resultar no desconforto. Ao contrário do que muita gente pensa, o problema não causa uma dor no cérebro, mas, sim, nas veias, nos músculos e nas terminações nervosas. A dor que atinge, de fato, as células cerebrais é sinal de um problema mais grave.

Os tipos de dor de cabeça variam, também, em suas características. Enquanto algumas são latejantes, outras apresentam sensações de pontadas ou de pressão. Além disso, a duração e a frequência também estão associadas à causa do problema. Confira algumas das mais comuns.

1. Enxaqueca

Uma crise costuma durar longas horas e acomete principalmente a região das têmporas, em ambos os lados da cabeça. Quem sofre de enxaqueca intensa também pode ter sensibilidade à luz e a sons. O tratamento deve ser feito com acompanhamento de um médico, já que as dores costumam ser frequentes e incapacitantes. Fora disso, compressas e massagens podem aliviar o quadro.

2. Tensão e estresse

Esse é um dos tipos de dor de cabeça mais comuns. A dor geralmente acomete a testa e o alto do crânio e pode ser desencadeada por problemas familiares, financeiros ou profissionais. Além disso, hábitos pouco saudáveis e consumo excessivo de álcool, café e outras substâncias também estão associados ao desconforto.

3. Alimentação

Alguns alimentos podem levar a dores de cabeça, especialmente em pessoas predispostas. Gordura em excesso, açúcar e café devem ser evitados por esses indivíduos. Esse último age dilatando os vasos sanguíneos, inclusive do cérebro, o que pode causar o problema.

4. Problemas oculares

Pacientes que passam por grandes esforços visuais também podem se queixar de cefaleia.Hipermetropia e astigmatismo sem uso de óculos ou lentes de contato tendem a causar o desconforto.

5. Sinusite

A inflamação dos seios da face também causa o sintoma. A dor costuma atingir as maçãs do rosto e a região acima dos olhos. Junto vêm outros incômodos, como secreção e coriza.

Fonte: Vivo Mais Saudável

13 razões para você visitar o dentista

dentista.jpg

Com a rotina corrida do dia a dia, muitas pessoas deixam a saúde bucal em segundo ou terceiro plano. Saiba que é importante frequentar o consultório dentário ao menos uma vez ao ano, e não apenas quando surgem problemas, como a cárie. Adiar a visita ao dentista torna a consulta desagradável e traumática, na maioria das vezes. Então, aqui vão 13 razões para visitar o seu dentista.

1. Prevenção: O dentista consegue diagnosticar problemas em estágios iniciais e evita seu aparecimento, orientando a correta higiene bucal e efetuando a limpeza de placa bacteriana e cálculos dentais (tártaros).

2. Sangramento gengival: ocorre devido ao acúmulo de placa bacteriana nas superfícies dentais e entre os dentes, inflamando os tecidos gengivais. A visita periódica permite a remoção das  bactérias e instruções para a escovação e o uso do fio dental.

3. Halitose: é o mau hálito e pode significar a presença de vários problemas de saúde. Ele pode estar relacionado com higiene ineficiente e problemas periodontais. Apenas o dentista consegue detectar a causa e estabelecer um tratamento adequado.

4. Dores articulares e estalidos ao abrir a boca: podem indicar algum distúrbio temporomandibular (problema na articulação responsável por abrir e fechar a boca). Um diagnóstico preciso evita muita dor de cabeça, literalmente.

5. Dores de dente: pode ser desde sensibilidade dentária até uma inflamação dos canais radiculares. Só a visita ao dentista pode identificar as causas.

6. Mobilidade: também pode ocorrer por vários motivos, como a presença de uma doença periodontal avançada ou o contato prematuro de um ou mais dentes. Ranger os dentes também pode ser uma causa deste problema.

7. Fratura dental: quebrar os dentes é algo muito comum e, em muitos casos, acontece de forma acidental. Só um profissional pode reabilitar a fratura da melhor forma possível.

8. Lesões bucais: podem ser desde uma simples afta até um câncer bucal. Fazer consultas de prevenção com um profissional diminui a incidência de riscos, já que o diagnóstico de qualquer lesão é fundamental para o sucesso do tratamento.

9. Sisos: os terceiros molares, conhecidos como dentes do juízo, podem causar incômodo às pessoas. Na maioria dos casos, recomenda-se a remoção desses dentes.

10. Dentes escurecidos: há várias causas para o escurecimento, como o consumo de cigarro. O clareamento é uma ótima opção para deixar os dentes brancos. Mas somente o dentista pode orientar e estabelecer o tipo de tratamento clareador para cada paciente.

11. Inchaços: também pedem atenção, pois demonstram que algo está errado com a boca. Os abcessos são uma manifestação inflamatória que causam inchaço, e possuem substância purulenta (pus) em seu interior, que causam dor intensa e podem, ou não, estar relacionados a algum problema dentário. A causa e o tratamento dos inchaços serão determinados pelo dentista.

12. Retrações gengivais: ocorrem por diversas razões, mas principalmente pela força excessiva na escovação. A gengiva retrai diante da agressão, o que expõe o colo dental e a sensibilidade dentária. Além dos dentes mais sensíveis, é preciso corrigir a parte estética.

13. Problemas ortodônticos: são problemas de oclusão (mordida, de forma mais simplória). Eles podem ter  origem óssea, dentária ou ambos e podem ser resolvidos com a instalação de aparelhos, algo que só o ortodontista pode indicar e recomendar.

Armadilhas no seu quarto atrapalham a qualidade do sono

sono ruim.jpg

Um sono de qualidade é essencial para a manutenção do bem-estar e da saúde, e por isso, quando a qualidade do sono não é das melhores, o nosso corpo logo dá sinais. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, 40% da população brasileira diz ter problemas para dormir ou classificou o seu como de má qualidade. Alguns distúrbios, como bruxismo, síndrome das pernas inquietas e apneia do sono podem ser causadores da dificuldade de dormir.

Mas muitas vezes é o nosso descuido na hora de preparar o quarto para dormir que afeta o nosso sono. Algumas doenças até atrapalham o sono, mas na maior parte das vezes basta um pouco de cuidado antes de deitar, para dormir bem e recuperar as energias para o dia seguinte. Veja alguns erros bastante comuns que são cometidos na hora de dormir.

Luz acesa

Quando o cômodo em que dormimos está muito claro, o nosso corpo não produz a melatonina, o hormônio responsável pelo sono. A luz consegue chegar ao nosso globo ocular mesmo quando estamos com as pálpebras fechadas. Sob a influência da claridade, a melatonina é bloqueada e não conseguimos ter uma boa noite de sono. Por isso, quanto mais escuro estiver o quarto, mas rápido uma pessoa dorme e melhor é a qualidade do sono.

Barulho

Além de interromper a ação da melatonina devido a claridade, a televisão também atrapalha por fazer barulho de forma não contínua. O sono é dividido em fases: o sono superficial e o sono profundo. É apenas na segunda fase que o corpo consegue recuperar as energias. Quando há uma alternância entre sons altos e baixos, o organismo fica em estado de alerta e não conseguimos passar para a fase profunda do sono. O mesmo acontece com quem tem mania de ouvir músicas agitadas na hora do repouso.

Outro ponto negativo da televisão é que, normalmente quando uma pessoa está com insônia, ela vai logo ver um programa na TV, o que te deixa com menos sono ainda.

Temperatura

 Deixar o quarto em uma temperatura amena também é importante na hora de dormir. Nosso metabolismo fica acelerado quando o cômodo está muito quente e abafado, o que diminui a qualidade do sono.Já um quarto muito frio pode causar tremores e contrações musculares durante a noite, que, assim como a variação do som, faz com que o nosso corpo tenha dificuldade de entrar na fase de sono profundo.

O ar-condicionado não tem nenhum problema se a pessoa estiver acostumada. Mas ele resseca muito o ambiente. Se realmente for um dia mais seco, em que não houve chuva, aquele lugar vai ter pouca umidade. O que pode amenizar a situação é colocar alguma vasilha com água ou umidificador e nunca esquecer de que os aparelhos de ar condicionado precisam de manutenção, senão a quantidade de alérgenos e poluentes aumenta.

A qualidade do ar

A qualidade do ar dentro do ambiente é outro fator crucial para a melhora da noite dormida. Um ar seco, cheio de poluentes, afeta a respiração e prejudica o sono. A não circulação do ar no quarto pode deixar a pessoa com o nariz congestionado e a garganta irritada. Por conta disso, há a possibilidade de o indivíduo acordar no meio do pernoite e não conseguir mais dormir.

travesseiro.jpg

Travesseiro

Escolha bem seu travesseiro! Além de causar torcicolos, escolher errado um travesseiro também diminui a qualidade do seu sono. “De maneira geral, o travesseiro deve ficar entre cinco e 10 centímetros de altura, para que a coluna de quem está dormindo fique em uma posição confortável”, explica o médico.

Colchão

Assim como o travesseiro, escolher bem um colchão deve ser prioridade na hora de montar um quarto. Quando uma pessoa acorda com dores pelo corpo constantemente, é provável que o seu colchão não seja o mais indicado. Pessoas com problemas na coluna devem tomar ainda mais cuidados, já que são mais sensíveis a qualidade do colchão onde dormem.

Alimentação

Fazer uma boquinha antes de ir dormir pode ajudar ou atrapalhar o sono, dependendo do que você coloca dentro da boca. De acordo com um estudo feito pela Universidade Northwestern, nos Estados Unidos, comer alimentos gordurosos pouco antes de dormir, além de engordar mais, diminui bastante a qualidade do sono. Isso acontece porque enquanto digerimos os alimentos, o nosso cérebro continua recebendo estímulos, o que aumenta as chances de pesadelos e insônia.

De acordo com o estudo, a própria sensação de peso e o metabolismo funcionando para digerir os alimentos já são motivos suficientes para má qualidade do sono. Comer alimentos leves, como sopas e lanches no mínimo duas horas antes de dormir é o mais indicado.

Animal de estimação

Dormir com o cachorro ou com o gato na mesma cama pode ser um costume para muitas pessoas, mas isso também atrapalha a qualidade do sono. Os animais de pequeno porte tem um ciclo de sono mais curto que o nosso, de aproximadamente seis horas. Por isso, eles acordam mais cedo e começam a se mexer, prejudicando a qualidade do sono de quem está dormindo com eles.

Sintéticos

É aconselhável evitar a utilização de muitos produtos sintéticos na própria mobília e confecção do quarto. A madeira é natural e acumula baixa quantidade de poeira, sendo uma boa opção para a mobília do quarto. A cerâmica no piso também é uma recomendação. Na própria cama, a melhor indicação é a de produtos naturais, como o algodão. Eliminar os sintéticos ajuda no sono e tem influência até no bom humor ao despertar.

Fonte: Portal Minha Vida

Dicas de lazer e cultura em São Paulo para o fim de semana (27 a 29/11)

dicas

Quer conferir algumas dicas de programas para esse final de semana em São Paulo? Então veio ao lugar certo.

Mulheres a beira de um ataque de nervos

mulheres a beira.png

Fielmente retratada no palco, a trama apresenta três mulheres envolvidas em um clima tragicômico por causa de suas confusões amorosas. Abandonada pelo amante, a atriz Pepa (Marisa Orth) descobre que está grávida, enquanto Candela (Helga Nemeczyk), sua melhor amiga, se apaixona por um terrorista. Mulher do amante de Pepa, Lúcia (papel de Totia Meireles) perdeu a lucidez e resolve se vingar do ex nos tribunais. A produção, em cartaz no Teatro Procópio Ferreira, oferece 35% de desconto nos ingressos do setor 2 até o dia 13 de dezembro.

As Gravuras de Arthur Luiz Piza

gravures_arthur luiz piva.jpg

Arthur Luiz Piza, exibe 137 de suas gravuras na Estação Pinacoteca. O mestre paulistano, que vive em Paris desde 1953, transformou as gravuras 2D em imagens 3D. Elas provocam uma vontade irracional de tocá-las

Orquestra de Câmara da OSESP

osesp.jpg

Sob a batuta de Lee Mills, o conjunto se apresenta com o intuito de explorar a sonoridade dos instrumentos de cordas. Na ocasião, executa Grand Écart, ou Grande Estiramento, do compositor brasileiro Flo Menezes. Na sequência, a Orquestra de Câmara da Osesp toca a Sinfonia para Cordas Quinteto em Fá Maior, WAB 112, de Anton Bruckner, com orquestração de Meirion Bowen. Dia 29/12/2015.

Jazz com Jeuston 

jesuton.jpg

A cantora britânica Jesuton se apresenta nos dias 27 e 28 de novembro de 2015, no Tom Jazz. Nos shows, a artista apresenta seu DVD Show Me Your Soul, composto por releituras de clássicos da soul music.

Fonte: Veja SP, Guia da Semana

Quanto açúcar a gente consome. Saiba quanto açúcar tem em alimentos do cotidiano

acucar

O açúcar está presente em muitos alimentos e é utilizado, principalmente, para deixá-los mais saborosos. Pequenas quantidades de alimentos, como o caso do achocolatado, ou do ketchup, já são o suficiente para fazer com que a dieta fique rica em açúcar, favorecendo o aumento do peso e aumentando a propensão ao desenvolvimento da diabetes, além dos riscos à saúde bucal.

A lista abaixo traz a quantidade de açúcar presente em alguns alimentos, sendo representado por pacotinhos de 5 g de açúcar. Como referência, a OMS estipulou que o consumo diário deve ser de 25 g.

1. Refrigerante

Os refrigerantes são bebidas ricas em açúcar, e o ideal é trocá-los por sucos naturais de fruta, que contêm apenas o açúcar já presente nas frutas e além disso, os sucos naturais são ricos em vitaminas importantes para o bom funcionamento do organismo.

1 lata de refrigerante = 7 pacotes de açúcar

2. Chocolate

Os chocolates são ricos em açúcar, principalmente o chocolate branco. A melhor opção é escolher o chocolate amargo, com pelo menos 60% de cacau, ou o chocolate de alfarroba.

4 quadrados = 3 pacotes de açúcar

3. Leite condensado

O leite condensado é feito apenas com leite e açúcar, devendo ser evitado na alimentação. Quando necessário, em receitas, deve-se preferir o leite condensado light, lembrando que mesmo a versão light também é muito doce.

3 colheres de sopa = 5 pacotes de açúcar

4. Creme de avelã

O creme de avelã tem como principal ingrediente o açúcar, sendo preferível utilizar patês caseiros ou geleia de frutas para consumir com torradas ou passar no pão.

2 colheres de sopa = 3 pacotes de açúcar

5. Iogurte

Para produzir iogurtes mais saborosos, a indústria adiciona açúcar na receita desse alimento, sendo ideal consumir iogurtes light, que são feitos apenas a partir do leite simples ou o açúcar natural.

1 potinho de iogurte = 2 pacotes de açúcar

6. Ketchup

O ketchup e molhos barbecue são ricos em açúcar, devendo ser substituídos por molho de tomate, que é rico em antioxidantes que ajudam na prevenção de doenças como câncer.

4 colheres de sopa = 4 pacotes de açúcar

CUIDE DA SUA SAÚDE BUCAL E MANTENHA O SEU SORRISO MUITO MAIS BONITO COM A CLÍNICA ODONTOLÓGICA BRANEMARK CENTER
www.branemark.com.br

7. Biscoito recheado

Além de muito açúcar, os biscoitos recheados também são ricos em gordura saturada, que aumenta o colesterol ruim. Assim, o ideal é consumir biscoitos simples sem recheio, de preferência integrais, ricos em fibras.

5 biscoitos recheados = 4 pacotes de açúcar

8. Cereais do café da manhã

Os cereais utilizados no café da manhã são muito doces, principalmente os de chocolate ou com recheio por dentro. Por isso, deve-se preferir cereais de milho ou as versões light, que contêm menos açúcar adicionado.

1 xícara de cereais = 3 pacotes de açúcar

9. Achocolatado

Cada colher de achocolatado normal contém 10 g de açúcar, devendo preferir as versões light, que além de serem ricas em vitaminas e minerais, também são saborosas.

2 colheres  de sopa = 4 pacotes de açúcar

10. Gelatina

O principal ingrediente da gelatina é o açúcar, e por ela ser de fácil digestão, aumenta rapidamente a glicemia, favorecendo o aparecimento de diabetes. Por isso, o ideal é consumir a gelatina diet ou zero, que são ricas em proteínas, nutriente ideal para fortalecer o corpo.

6 colheres de sopa = 7 pacotes de açúcar
Fonte: TuaSaúde

Baixa Imunidade: conheça 10 sinais de alerta

cansaço baixa imunidade.jpg

Unhas fracas, queda de cabelo, cansaço, problemas de pele… Se você tem algum desses problemas, deve imaginar que está com a imunidade baixa, certo? Na verdade, não é tão simples assim. Sinais como esses podem ser muito vagos, já que podem significar uma infinidade de complicações, doenças e até fatores genéticos, que pouco têm a ver com uma imunodeficiência.

A baixa imunidade pode ser de causa primária, ou seja, quando a pessoa já nasce predisposta pela genética. Porém, pessoas que são saudáveis, em um dado momento da vida, podem se expor a situações que levem à dificuldade do organismo em manter um equilíbrio imunológico.

Exemplos dessas situações vão desde maus hábitos a tipos específicos de tratamentos: uso de medicamentos que suprimem a imunidade, exposição à radiação, quimioterapia, má alimentação, uso de drogas, consumo de álcool, excesso de exercício físico, estresse prolongado, doenças que levam a uma grande perda de proteínas – substâncias que são a matéria prima dos anticorpos, doenças crônicas, deficiências de vitaminas, falta de repouso adequado, entre muitos outros fatores.

De olho nas doenças mais persistentes
Como saber, então, se você realmente está com o sistema de defesa comprometido? De acordo com o clínico geral Fernando Manna, do Laboratorio NASA, não existe um exame único capaz de detectar se a pessoa está com a imunidade prejudicada. “O ideal é procurar um médico ao perceber sintomas recorrentes ou persistentes. O exame clínico realizado pelo médico assistente, aliado à queixa e evolução de sintomas, são orientadores na solicitação de exames”, completa.

É mais fácil, portanto, perceber que o sistema imunológico está pedindo ajuda quando há repetições de várias complicações no organismo, que demoram a ir embora. “A diminuição da resistência orgânica cria condições para o desenvolvimento frequente de doenças”, conta Fernando. Se a pessoa apresentar um mesmo problema – ou mais de um – diversas vezes, deve procurar um profissional.

A lista dos sinais alarmantes
Ainda assim, não é tão simples a detecção, uma vez que repetir demais uma complicação não é certeza de uma queda na imunidade. Um indivíduo pode ter as unhas fracas durante meses, por exemplo, mas isso pode ser apenas consequência de má higiene ou falta de alguns nutrientes na alimentação.

Por isso, vale ficar mais atento aos sintomas decorrentes de doenças que são mais comuns quando as defesas do organismo estão frágeis. Confira exemplos dados pelo clínico geral Fernando Manna e a imunologista Elisabete Blanc:

Boca: herpes, amigdalite e estomatite

Pele: infecções recorrentes, abscessos, doenças gerais causadas por fungos, vírus e bactérias

Ouvido: otites

Região genital: herpes

Sistema respiratório: gripes e resfriados

A percepção da imunodeficiência fica ainda mais clara com a lista da Fundação Jeffery Modell e a Cruz Vermelha Americana, elaborada para guiar médicos e profissionais no diagnóstico de pacientes. Elisabete explica que, ao apresentar um ou mais desses itens abaixo, a pessoa já deve ser investigada.

Duas ou mais pneumonias no último ano

Os sintomas da infecção no pulmão costumam ser: febre muito alta, calafrios, tosse com expectoração, falta de ar, dor no peito, vômitos, prostração, perda de apetite e dores no corpo.

Oito ou mais otites no último ano

A inflamação é provocada pelo acúmulo de líquido no ouvido. Há vários tipos de otite, que podem apresentar os seguintes sintomas: dor intensa, diminuição da audição, secreção, coceira, febre, falta de apetite, entre outros.

baixa imunidade.JPG

Estomatites de repetição ou monilíase por mais de dois meses

A estomatite pode ser percebida por lesões na boca e gengivas. Já a Monilíase é uma infecção causada por fungos e apresenta pontos brancos e escamosos em qualquer área da região bucal: língua, bochechas, gengivas ou lábios.

Abscessos de repetição ou ectima

O acúmulo de pus na pele em determinada área do corpo é conhecido como abscesso, também chamado de furúnculo. A ectima é uma infecção bacteriana que acontece, geralmente, por falta de higiene, com lesões que costumam acontecer com maior frequência nas pernas e nos pés.

Um episódio de infecção sistêmica grave: meningite, artrose ou septicemia

Essas infecções comprometem o organismo como um todo e podem ser perigosas. A meningite é uma inflamação das meninges, membranas do encéfalo e da medula espinhal e pode ser causada por vírus ou bactérias. A artrose, por sua vez, é caracterizada por problemas que alteram as juntas dos joelhos, quadris, mãos e coluna vertebral, prejudicando o movimento. Já a septicemia é uma infecção generalizada que se espalha por todo o organismo, por causa de bactérias que infectam o sangue.

Infecções intestinais de repetição ou diarreia crônica

O mau funcionamento do intestino pode ser causado por vários fatores, como alimentação ruim e problemas emocionais. No entanto, frequentes diarreias e problemas intestinais, relacionados a infecções, são mais preocupantes e podem ser indícios de imunodeficiência.

O SEU DENTISTA PODE ENCONTRAR SINAIS DA SUA SAÚDE
CONSULTE A CLÍNICA BRANEMARK CENTER E AGENDE UMA CONSULTA
www.branemark.com.br

Asma grave, doença do colágeno ou doença autoimune

Tanto a doença do colágeno quanto a doença autoimune, como explica Elisabete, representam um grupo de doenças que faz o organismo produzir anticorpos contra ele mesmo, o que provoca uma queda na imunidade.

Efeito adverso ao BCG e/ou infecção por micobactéria

Esse caso diz respeito, principalmente, a crianças que têm reação da vacina BCG, contra tuberculose. A pele pode não cicatrizar após a vacina ou a criança pode sofrer com própria bactéria que dá a tuberculose..

Quadro clínico associado à imunodeficiência

Aqui entram as mais variadas doenças e síndromes que podem ter relação com o sistema imunológico. O médico pode suspeitar de acordo com o histórico da pessoa e da predisposição genética.

História familiar de imunodeficiência

Pessoas que possuem casos na família de baixa imunidade também devem ficar mais atentas às respostas do organismo para doenças e, de preferência, fazer uma avaliação médica.

Fonte: Portal Minha Vida

A saliva e o chiclete.

chiclete.jpg

Como sabemos, a saliva ajuda a manter a boca úmida. Quando comemos, o fluxo de salivar aumenta, permitindo-nos mastigar e engolir os alimentos. A saliva também tem efeito protetor. Ela neutraliza os ácidos, quando comemos carboidratos que reduzem o pH da boca, e remove os resíduos de alimentos que ficam após as refeições.

A maioria dos americanos masca chicletes sem açúcar como um “hábito natural” para purificar o hálito, limpar a boca após as refeições, fortalecer os dentes e ter uma sensação de bem estar ao final de um longo dia. A combinação da saliva com a goma de mascar sem açúcar estimula o fluxo salivar, neutralizando ainda mais os ácidos acima do pH crítico de 5,7. (1, 2)

Para você, o que significa isso? Significa que você pode diminuir as lesões de cárie causadas pelos tipos de alimentos que você ingere. Depois de comer, o pH da placa bacteriana torna-se ácido durante um período de tempo e afeta os dentes, enfraquecendo-os e tornando-os suscetíveis à cárie.

Foi realizado na Europa um estudo, com duração de dois anos, com um grupo de crianças da 3ª à 5ª série, propensas à cárie, que não faziam uso de água fluoretada, mas usavam diariamente um creme dental comum com flúor. As crianças foram distribuídas entre um grupo controle positivo e um grupo de controle negativo que não usava goma de mascar sem açúcar. Os componentes do grupo controle positivo mascaram, todos os dias e durante 20 minutos, um chiclete sem açúcar após cada refeição. Foram feitos exames no início do estudo (momento inicial) e após o primeiro e segundo anos com o objetivo de determinar o número de dentes restaurados, cariados ou ausentes.

CUIDE DA SUA SAÚDE BUCAL COM UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA DE ALTA PERFORMANCE: A CLÍNICA BRANEMARK CENTER.
www.branemark.com.br

Depois do primeiro ano, os resultados mostraram que o grupo de crianças que mascavam chiclete com sorbitol teve o número de lesões de cárie reduzido em 41,7% em relação ao grupo de controle com crianças que não usaram a goma com sorbitol.

As lesões de mancha branca também foram registradas nos dois grupos de controle positivo e negativo e mostraram uma redução 43,6% em relação ao grupo de controle positivo após um ano. Depois de dois anos, registraram-se, em relação ao grupo de controle negativo, uma redução nas cáries de 33.1% e uma redução das lesões de mancha branca de 38.7%. (3).

A realização do estudo foi eficiente e os resultados demonstraram que não foi difícil mascar três chicletes por dia. Os resultados indicam que alunos e professores podem beneficiar-se, descobrindo que a saúde bucal também pode fazer parte do currículo escolar e que um programa de combate às cáries pode ser instituído nas escolas. Converse com nossos dentistas sobre as escolhas que você pode fazer para melhorar sua saúde bucal usando um chiclete sem açúcar.

Fonte: Terra/Colgate

Quer chegar até os 100 anos? Então, seja positivo.

idosos positivos.jpg

Somente 5% dos idosos da Grã-Bretanha, com idade entre 65 e 92 anos, se consideram velhos. Aliás, muitos afirmaram estar mais felizes do que nunca. É o que diz uma pesquisa financiada pelo site britânico Spring Chicken, especializado em vender acessórios desenvolvidos para facilitar a vida dos idosos.

Cerca de 30% dos participantes também afirmaram que, se pudessem escolher, permaneceriam na idade atual e 22% disseram que o passar dos anos lhes trouxe um sentimento de confiança desconhecido até então. As informações são do jornal britânico The Telegraph.

“Ser ‘velho’ é apenas um estado de espírito. O processo de envelhecimento começa por volta dos 30 anos, mas, para a maioria das pessoas, não deveria ser um problema até os 90 anos. Entretanto, devido a uma combinação de fatores, como o envelhecimento em si, a perda da boa forma física e o desenvolvimento de doenças, as pessoas podem começar a se sentir velhas aos 65 anos”, disse Muir Gray, especialista em envelhecimento e Chief Knowledge Officer do Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês) britânico, ao The Telegraph.

Cuide do seu sorriso, da sua saúde bucal e seja mais confiante com os cuidados da Clínica Branemark Center.
www.branemark.com.br

A pesquisa também revelou que a maioria dos idosos está fazendo tudo o que pode para cuidar da saúde conforme envelhece. Inclusive, 25% disseram que cuidam mais da pele agora, do que quando eram jovens e 28% afirmaram que fazem mais exercício do que nunca. Quase 40% dos entrevistados disseram ser “mais cuidadosos com sua dieta e alimentação” e metade afirmou jogar jogos de aptidão para o cérebro ou fazer palavras cruzadas e quebra-cabeças frequentemente.

Mas, de acordo com o especialista da NHS, o segredo para uma vida longa e saudável é adotar uma atitude positiva. “Com a perspectiva e o estilo de vida corretos, você pode reduzir o risco do desenvolvimento de doenças, minimizar os efeitos de qualquer condição que pode se desenvolver e permanecer jovem até os 90 anos ou mais”, afirmou Gray.

Anna James, fundadora do Spring Chicken, ressaltou que a pesquisa comprovou a máxima seguida por muitos: “você é tão velho quanto se sente”. “Queremos que a sociedade foque no que pode e deveria estar fazendo para viver mais e melhor, em vez de classificar as pessoas como velhas. É claro que existem algumas partes do corpo que funcionam pior do que quando éramos mais jovens, mas, graças aos últimos avanços há solução para a maioria destes problemas”, disse ao The Telegraph.

Fonte: Veja

Distúrbios alimentares afetam a saúde bucal

prato-vazio.jpg

 

A anorexia e a bulimia são assuntos complicados de se tratar e podem danificar seus dentes de diversas maneiras.

Um indivíduo com bulimia entra em um ciclo de comer compulsivamente e vomitar. Os ácidos estomacais durante o vômito passam pela boca e podem desgastar o esmalte do dente, causando cáries, descoloração e até a perda do dente.

Como os dentes ficam com uma aparência gasta e amarelada, o dentista pode ser o primeiro a notar os sinais deste distúrbio alimentar. A odontologia cosmética pode ajudar a corrigir o esmalte danificado dos dentes.

Na anorexia, a quase inanição priva o organismo dos nutrientes de que necessita. Pode-se desenvolver uma osteoporose com um enfraquecimento dos ossos maxilares que suportam os dentes podendo-se chegar até à perda do elemento dentário.

Em ambos os casos, é essencial que se trate as causas subjacentes que levam à anorexia e à bulimia, bem como que se trate as complicações dentárias delas resultantes. Embora o dentista possa reparar o esmalte danificado dos dentes, ele não poderá tratar o distúrbio alimentar real. Casa você tenha – ou suspeite ter – algum distúrbio alimentar consulte seu médico.

Fonte: Colgate

10 atitudes para cuidar melhor do coração

cuidar do coração 1.jpg

Você é desses que sempre adia o assunto saúde e acha que cuidar do coração, por exemplo, é coisa para idosos? Uma notícia para você, camarada: a saúde cardíaca tem que ser cuidada hoje para seguir assim a vida toda. Hoje mesmo. Agora. Comece lendo esse texto e, depois, é sair cumprindo cada item e manter o compromisso com um coração cheio de vitalidade.

1. Conheça seus números

Fazer exames regulares ajuda a saber como, em particular, seu coração funciona. Assim é possível entender como é sua pressão arterial, triglicérides e outros números importantes para conhecer seu coração e, a partir daí, estabelecer uma base. Melhor ainda se isso for feito ali pelos 30 anos.

2. Acrescente uns heróis à sua dieta

Quando for fazer um lanchinho vendo TV ou se quiser levar consigo um belisco, opte por castanhas, por exemplo: elas ajudam a colocar Omega-3 na sua vida, um apoio para prevenir entupimento das artérias. Abacate, salmão e brócolis são outros bons alimentos aliados para adotar.

3. Vá pescar!

Ok, talvez pescaria não seja sua atividade para relaxamento. Pense outra então – o importante é desconectar dos noticiários, seus e-mails de trabalho, as situações que mais aceleram sua vida.

Comece cortando uns 15 minutos de conexão com celular, tablet e TV e vá aumentando até ter uma hora ou duas de desconexão por dia. O estresse aumenta a pressão arterial, o pulso cardíaco e os níveis de hormônios que podem prejudicar o organismo. Mas ele pode ser contido com uma comédia de duas horas ou encontrando um amigo para um café.

4. Aliás, ache um amigo do coração

A dica de caminhar por 30 minutos ao dia é sempre dada pelos profissionais da saúde. Mas nem todas as pessoas se empolgam tão facilmente. E se você achasse um amigo que também quer cuidar do coração? Fazer exercícios com companhia aumenta as chances de continuar fazendo.

Vale procurar bem pertinho, inclusive. De acordo com um recente estudo norte-americano, que avaliou cerca de 15 mil homens e mulheres, apenas o fato de ser casado e ter uma boa rede de amigos pode proteger as pessoas das doenças cardíacas. “Pessoas casadas ou que frequentam clubes ou têm muitos amigos e parentes tem a pressão significativamente mais baixa, além de outros fatores de risco”, diz a pesquisa.

corte o cigarro

5. Feche a conta do cigarro

Já usou o aplicativo do Coração & Vida que calcula quanto se gasta por ser fumante? Talvez esteja aí um bom incentivo para parar. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), todo ano mais de cinco milhões de pessoas morrem no mundo por causa do cigarro.

O tabagismo está relacionado a mais de 50 doenças – sendo responsável por 30% das mortes por câncer de boca, 90% das mortes por câncer de pulmão, 25% das mortes por doença do coração.

Se nem isso for incentivo, pensa assim: quem começa a fumar, digamos, com 18 anos e já está com 30, fumando meio maço ao dia, já gastou com esse hábito ruim cerca de R$ 15.000. Daria para fazer uma viagem de sonho. Mais saudável, mais proveitoso.

6. Faça uma paradinha e tome um drinque, oras

Outra pesquisa norte-americana, desta vez da escola de saúde pública de Harvard: para as mulheres, até um copo de álcool por dia e, para os homens, até dois copos por dia pode ajudar a reduzir o risco de doença cardíaca.

O álcool pode auxiliar o coração por aumentar os níveis de colesterol HDL. Mas lembre-se: mais não é melhor.

O álcool também tem calorias e, em excesso, pode causar pressão alta, piorar a insuficiência e causar anormalidades do ritmo cardíaco, registra a pesquisa. Então faça aquele brinde e pare no limite recomendado.

7. Vá dormir, pague as contas na manhã seguinte

Pessoas que dormem menos de sete horas por noite têm mais elevações de pressão arterial e níveis mais altos de cortisol, o hormônio do estresse, tornando as artérias mais vulneráveis ao acúmulo de placa bacteriana.

Na verdade, pesquisas mais recentes mostram que pessoas que não dormem o suficiente são duas vezes mais prováveis de morrer de doença cardíaca. Tentar evitar cafeína depois do meio dia e desenvolver um ritual de desaceleração antes de dormir são maneiras de ajudar a pegar no sono.

Dica? Tome também um banho morno e ignore boletos bancários até a manhã seguinte! Sério mesmo. Você vai dormir menos tenso.

8. Cheque esse negócio de roncar, sim?

Às vezes, o ronco parece só uma característica engraçada do indivíduo ou aquele trejeito irritante. Mas ele pode ser mais que isso. O ronco pode ser um sinal de algo mais grave: apneia obstrutiva do sono. Essa desordem, marcada pela respiração que é interrompida durante o sono, pode fazer a pressão arterial disparar, o que aumenta o risco de doença cardíaca.

As pessoas que estão com sobrepeso ou obesidade têm maior risco de apneia do sono, mas pessoas magras podem ter também. Se você ronca e muitas vezes acorda sentindo cansaço, hora de ir ao médico e avaliar o motivo dessa “sinfonia”.

cuidar do coração.jpg

9. Vamos parar de ser 8 ou 80?

Conhece aquele pessoal de 35, 40 anos que sente a idade chegando e mergulha cheio de boas intenções nos exercícios? E aí parte deles exagera, acaba se machucando e em seguida deixa de praticar corrida, musculação ou o esporte aeróbico escolhido como salvação.

Com o exercício, é sábio seguir na onda do “lento e firme”. É mais importante ter um compromisso de exercício físico regular a longo prazo do que forçar e parar por meses.

10. Amadureça esse paladar, criatura

Ficar adulto é também abandonar aqueles hábitos bobos de alimentação – jogando calorias vazias pra todo lado (com alimentos lotados de açúcar, gordura e quase nenhum nutriente). Quem tem esse “paladar infantil” se recusa a seguir os conselhos que a vovó dava sobre comer comida de verdade. Pois é, mas é chegada a hora.

Uma dieta pobre aumenta muito o risco de obesidade e diabetes e, por tabela, problemas no coração. Procure alimentos bons pra você, sejam legumes, frutas, grãos integrais, frutos do mar, carnes magras, leite desnatado, ovos e feijão – e, por favor, pare de colocar sal em tudo! Você não tem mais 10 anos. E isso é bom.

Fonte: iG