Aparelho ortodôntico invisível: quais são os benefícios

A procura pelo aparelho ortodôntico por quem deseja alinhar os dentes e deixar de lado aquela imperfeição no sorriso que tanto incomoda é cada vez mais comum. Porém, muitas vezes, esse tipo de tratamento é adiado pelo fato de que o tradicional visual metálico ou mesmo das peças coladas não agrada a todos, principalmente pessoas mais criteriosas.

Nesse sentido, para aqueles que se incomodam com a aparência que o clássico aparelho ortodôntico proporciona, a solução é um aparelho ortodôntico invisível. O aparelho ortodôntico invisível nas mãos de quem tem a expertise, é uma excelente opção para quem deseja aliar um tratamento de qualidade com conforto, discrição e praticidade. Na maioria dos casos, seu uso passa despercebido e suas vantagens vão muito além da estética.

 

O que é o aparelho ortodôntico invisível?

Em linhas gerais, o aparelho ortodôntico invisível é uma estrutura removível, confeccionada de acordo com a arcada dentária do paciente. Ele é constituído por um conjunto de alinhadores transparentes e feitos sob medida em modernas impressoras 3D.

Assim sendo, é uma excelente alternativa para quem deseja ter um sorriso bonito com o máximo de conforto, na medida em que, além de ser removível, ele não possui fios, bráquetes e bandas como nos modelos de aparelho fixo.

Vamos conhecer os principais benefícios do uso Aparelho ortodôntico invisível

1. É discreto e imperceptível

Muitas pacientes rejeitam o aparelho metálico por causa da estética que ele apresenta durante o tratamento. Com ele é possível evitar essa condição, pois, ele é confeccionado praticamente invisível e vem já no formado da sua arcada dentária. Por isso, se encaixa perfeitamente nos dentes, o que torna seu uso praticamente imperceptível.

2. É confortável

As bandas, fios e demais peças de metal ou porcelana dos aparelhos tradicionais são dispensáveis, isto é, não são necessárias na técnica removível. Isso torna o aparelho invisível bastante mais confortável, uma vez que não existe a necessidade do uso das peças dos modelos convencionais que contribuem para que apareçam irritações e aftas na boca.

3. Traz mais praticidade

O alinhador ortodôntico é móvel e, assim, pode ser retirado, sem desconfortos, quando você precisar comer ou beber. Durante o tratamento, você pode removê-lo quando for conveniente, como em jantares, festas e eventos corporativos. Por não necessitar de nenhum acessório para essa ação, o aparelho é facilmente retirado pelo próprio paciente.

4. Mantém a saúde da gengiva

O fato de o aparelho ser removível também interfere na praticidade para realizar a limpeza diária. Passar fio dental entre os fios e bráquetes do aparelho convencional pode ser trabalhoso. Muitas vezes a escovação não é feita 100%, e isso contribui para o surgimento de tártaro e de problemas gengivais.

Na técnica das placas ortodônticas removíveis, para passar o fio dental e realizar a escovação, basta remover o alinhador e pronto. Dessa forma, a higiene bucal pode ser feita de forma bem mais completa.

5. Melhora a autoestima

Os dentes desalinhados podem causar problemas de má oclusão, mas também podem atingir a autoestima. Em contrapartida, o aparelho convencional também pode atrapalhar a estética do rosto e causar desconforto. O uso do aparelho ortodôntico invisível contribui para trazer mais confiança, sem interferir em sua vida pessoal ou profissional, afinal, na maioria dos casos, as pessoas nem percebem que você o está usando.

6. Apresenta resultados iguais a outros tratamentos

A duração do tratamento feito com um aparelho ortodôntico invisível é bem menor do que com o tratamento convencional ortodôntico e traz os mesmos resultados. No entanto, esse modelo de aparelho prioriza a estética, o conforto, a higiene e a praticidade durante o processo de alinhamento dos dentes.

Mas vale lembrar que, para que o tratamento tenha sucesso, o paciente precisa cooperar com o processo. Além disso, o cirurgião-dentista precisa ter o conhecimento necessário para proceder com esse tipo de intervenção em seu consultório.

Coisas que todo homem precisa saber sobre o Câncer de Próstata

Após os 50 anos, 1 em cada 6 homens terá câncer de próstata. No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma).

Mas, diferente de 40 anos atrás, quando a doença tinha um tratamento complicado e o preconceito era grande, não dá mais para você ficar se escondendo dos exames e dar chance para o mal. Para isto que foi criado o Novembro Azul (Movember), incentivando e orientando o homem sobre a necessidade de conversar sobre a saúde masculina.

QUEM CORRE MAIS RISCO DE TER CÂNCER DE PRÓSTATA?

O câncer de próstata é a segunda neoplasia maligna mais frequente no sexo masculino e os principais fatores de risco são a idade elevada e o histórico familiar presente (neste caso, o risco chega a ser 5 vezes maior para pessoas com até 3 familiares com câncer de próstata). Homens negros têm uma taxa maior em relação a homens brancos ou asiáticos, mas sabe-se que os hábitos ocidentais de vida também aumentam o risco.

QUANDO VOCÊ PRECISA COMEÇAR A SE CUIDAR?

Os exames devem iniciar-se aos 50 anos de idade. Pessoas com histórico familiar presente e negros devem iniciar seus exames de screening aos 45 anos de idade.

O EXAME DE TOQUE AINDA É NECESSÁRIO?

O exame de toque retal ainda é necessário pois pode detectar lesões precoces na próstata que nenhum exame de imagem com as tecnologias atuais seria capaz de diagnosticar. Desta forma, ele faz parte de todas as avaliações. Mas, ao contrário do que muitos imaginam, o exame de toque é muito pouco incômodo e extremamente rápido.

QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS SINAIS E SINTOMAS DO CÂNCER DE PRÓSTATA?

O câncer de próstata em suas fases iniciais não causa sintomas nem apresenta sinais. A introdução na prática clínica na década de 90 do exame laboratorial sanguíneo do PSA em conjunto com o exame de toque retal, trouxe a possibilidade de diagnosticar lesões malignas enquanto ainda localizadas na próstata, o que permite, na maioria das vezes, tratamento curativo.

COMO EVITAR? Ainda não há forma concreta de se evitar o câncer de próstata. Manter uma alimentação saudável, não fumar, ser fisicamente ativo e visitar regularmente o médico contribuem para a melhoria da saúde em geral e podem ajudar na prevenção deste câncer. Existem algumas estratégias de prevenção com uso de medicamentos inibidores da 5-alfa-redutase, estatinas, anti-inflamatórios e moduladores de receptores seletivos de estrógenos, ou dietéticas pelo uso de carotenóides, retinóides, vitamina D, vitamina E, cálcio e selênio. Mas, não se comprovaram como 100%  eficientes em estudos científicos.

TRATAMENTOS PARA O CÂNCER DE PRÓSTATA  A forma de tratamento adequada vai depender de cada caso; da idade do paciente, da expectativa média de vida, do estadiamento da doença (se localizada ou avançada) e principalmente da escolha do paciente frente às opções possíveis. Para doenças que estão ainda apenas na próstata, existem 3 tipos de tratamento (que são usados isolados ou em associação), que têm o objetivo de tentar curar o paciente. São eles a cirurgia, a radioterapia (radiação aplicada externamente) e a braquiterapia (que consiste na colocação de sementes radioativas no local da próstata). Cada uma delas tem suas vantagens e desvantagens. Para pacientes mais idosos e tumores menos agressivos, pode-se também acompanhar o paciente rigorosamente e tratar apenas se o tumor mostrar sinais de alteração em sua agressividade. A decisão da melhor forma de tratamento deve ser tomada em conjunto entre o médico, o paciente e a sua família. Nos casos avançados, onde a doença já “se espalhou” pelo corpo do paciente, também existem tratamentos, embora não sejam mais curativos, mas que podem controlar a doença, como o bloqueio hormonal (trata-se de bloquear a produção de testosterona, o hormônio masculino, que faz o câncer se desenvolver) ou a quimioterapia em alguns casos.

VO Experience: facilidade no tratamento em odontologia intensiva para executivos

A prevenção é um trabalho em equipe que envolve paciente e dentista, visando preservar a dentição natural, evitando o surgimento e progresso de doenças bucais.

tratamento em odontologia intensiva para executivos

A VO Experience é uma modalidade em odontologia intensiva, onde executivos e executivas podem realizar o seu tratamento no menor tempo possível, a partir de um plano de tratamento otimizado e com uma equipe de profissionais trabalhando conjuntamente no seu caso de forma totalmente personalizada.

É uma modalidade ideal para aqueles que fazem viagens constantes, são de outras cidades, Estados ou países – o que também é conhecido como turismo odontológico – ou, ainda, para aqueles pacientes que possuem quadros de grave ansiedade em relação aos tratamentos odontológicos.

VO Experience: facilidade no tratamento em odontologia intensiva para executivos

SERVIÇOS QUE IRÃO CUIDAR DO SEU MAIOR CARTÃO DE VISITAS

tratamento em odontologia intensiva para executivos

 

  • Remoção de placa bacteriana e tártaro (cálculo dentário)

 

Por meio da utilização do aparelho de ultrassom ou da remoção manual (raspagem), pode-se remover substâncias nocivas as dentes e à gengiva.

 

  • Profilaxia

 

Procedimento realizado por meio de jato de bicarbonato ou de escovas especiais para a remoção de placa bacteriana e manchas de fácil remoção.

 

  • Aplicação tópica de flúor

 

Quando aplicado periodicamente, o flúor é um agente que ajuda a proteger a saúde dos dentes contra a ação bacteriana.
tratamento em odontologia intensiva para executivos

 

  • Orientação sobre higiene bucal

 

Por meio de uma correta orientação sobre escovação e utilização de fio dental, buscamos conscientizar nossos pacientes sobre a importância da manutenção de uma boa higiene bucal em casa.

 

  • Polimento e acabamento de restaurações antigas

 

Restaurações antigas também precisam de manutenção para que não percam suas qualidades.

COMO A PREVENÇÃO PODE AJUDAR VOCÊ ECONOMIZAR?

Visitar regularmente o dentista é uma ação econômica, pois previne o surgimento de problemas com soluções mais custosas, além de ser essencial para verificar o estado de tratamentos anteriores e manter sua saúde bucal em dia. A prevenção é a chave para a manutenção da beleza e da saúde de seu sorriso.

Gravidez pede cuidados especiais com a saúde bucal

Atualmente sabe-se da importância do tratamento preventivo da criança a partir mesmo da gravidez, aumentando assim as chances do bebê ter uma boa saúde bucal. Além disso, existe a necessidade de cuidados com a saúde odontológica da própria gestante, diminuído as chances de transmissão de microrganismos da mãe para a criança. Diagnosticar e tratar doenças bucais que podem comprometer a saúde da mulher e do seu bebê são medidas fundamentais para a garantia de um pré-natal seguro.

 

Gravidez pede cuidados especiais com a saúde bucal

Gravidez pede cuidados especiais com a saúde bucal

Existem crenças, receios e resistências que dificultaram o cuidado com a saúde bucal durante a gestação, e, ainda hoje, confundem pacientes e profissionais. A atenção odontológica durante a gestação é indicada e necessária e, com certas precauções, o tratamento é totalmente protegido.

A cárie é uma doença transmissível e, sendo a mãe a cuidadora, ela é uma das principais fontes de bactérias cariogênicas para seus filhos. Contatos frequentes e repetitivos entre a mãe e a criança, tais como beijos na boca, uso comum de talheres e hábitos de limpar a chupeta colocando-a na boca do adulto podem ser responsáveis pela transmissão precoce das bactérias causadoras de cáries em bebês. Assim sendo, as infecções e cáries não tratadas podem prejudicar a saúde da futura mamãe e a de seu bebê.

O cirurgião-dentista está apto a realizar este tipo de atendimento e deve sempre se atentar às condições físicas e psicológicas da gestante e, quando julgar necessário, pode e deve entrar em contato com o médico da mesma.

As consultas podem ocorrer em qualquer momento da gestação, mas o período mais indicado é o segundo trimestre (entre o 4º e o 6º mês). Evita-se o primeiro trimestre, pois é quando ocorre a organogênese completa, isto é, formam-se o corpo, os membros, a cabeça e todos os órgãos internos, período em que o feto é mais suscetível à ação de medicamentos e o índice de aborto espontâneo é maior. Evita-se também o terceiro trimestre por haver um maior risco de parto prematuro e causar um desconforto maior para a paciente devido à posição deitada da cadeira odontológica.

Gravidez pede cuidados especiais com a saúde bucal

Durante os atendimentos odontológicos, alguns cuidados devem ser tomados. As radiografias só devem ser feitas em casos indispensáveis e de preferência evitando o primeiro trimestre, e a gestante tem que estar protegida usando o avental de chumbo, proteção indicada, na verdade, a qualquer outro paciente. Ao receitar medicamentos, o profissional deve ser criterioso durante a gravidez, evitando os excessos e avaliando a relação custo-benefício, pois sabe-se que a droga administrada à gestante atravessa a barreira placentária e chega ao feto.

O acompanhamento odontológico da gestante é importante para uma boa condição bucal e para fornecer informações sobre a saúde e desenvolvimento do seu bebê. Assim, os profissionais devem conversar sobre os efeitos maléficos do álcool e drogas, orientar sobre uma dieta equilibrada para uma boa saúde da gestante e do bebê, incentivar e explicar a importância da amamentação natural, higienização antes e depois da erupção dos dentes, consequências da sucção de dedos e chupetas, meios de transmissão de doenças bucais, momento da primeira visita e etc.

Gravidez pede cuidados especiais com a saúde bucal

Ao contrário do que muita gente diz, a gestação não está diretamente relacionada à cárie, perda de dentes e enfraquecimento dos dentes devido à perda de cálcio, sendo esses alguns mitos em relação à saúde bucal da gestante.

Durante a gestação, a mulher acaba por diminuir os cuidados com a higiene bucal, pois sua atenção e preocupação estão focadas no pré-natal e no bebê, principalmente depois do parto, com os cuidados com o recém-nascido. O descuido com a higiene oral também pode ocorrer devido ao enjoo que os cremes dentais podem provocar nessas pacientes durante as escovações. É importante, portanto, que faça uma correta escovação, com uso de fio dental e creme dental com flúor, e visitas regulares ao dentista.

 

Durante a gravidez percebe-se a ocorrência de grandes mudanças fisiológicas e alterações hormonais que podem ter efeitos adversos na saúde bucal. A gestante passa a ter uma alimentação desregulada, com uma maior frequência de ingestão de alimentos e muitas vezes alimentos mais cariogênicos (que causam cáries) e isso pode contribuir para a ocorrência e problemas bucais nessa fase, como o aumento do risco de cáries e problemas periodontais (nas gengivas e ossos que servem de sustentação para os dentes). Outro fator que pode ser observado na gestação é a erosão do esmalte dentário, que consiste em perda de estrutura dentaria ocasionada por substâncias ácidas e nestes casos pode ser decorrente da exposição ao suco gástrico por frequentes enjoos e vômitos.

Gravidez pede cuidados especiais com a saúde bucal

Não existe relação entre a gravidez e a perda de minerais dos dentes. Já está comprovado que os dentes não participam do processo de captação do cálcio, pois o cálcio que irá formar as estruturas do bebê provém da alimentação da gestante.

Existem evidências que sugerem a existência de uma relação entre os problemas gengivais e os nascimentos prematuros e de bebês que nascem com peso abaixo do normal. Os microorganismos presentes na placa bacteriana e que causam inflamação nos ossos e gengivas ao redor dos dentes percorrem a corrente sanguínea e estimulam a produção da prostaglandina, que é substância hormonal, provocando contrações do útero e acelerando o trabalho de parto.

O ideal é que as mulheres que estejam em idade fértil e que desejam ser mães passem por uma avaliação odontológica detalhada antes mesmo de engravidar para que possam realizar todo o tratamento necessário e receber as orientações previamente.

Por todos esses motivos é importante o pré-natal odontológico priorizando a saúde bucal da gestante e a prevenção do bebê. Os hábitos saudáveis de higiene bucal e uma boa alimentação devem ser adotados desde a gravidez, pois o nível de saúde bucal da mãe tem relação com a saúde bucal da criança e estão ligadas diretamente a uma boa saúde geral.