O lago de Como proporciona uma das vistas mais bonitas da Lombardia

O lago de Como proporciona uma das vistas mais bonitas da Lombardia. O cenário é absolutamente deslumbrante: um lago cristalino com muitos tons de azul, rodeado por montanhas e florestas, que abriga dezenas de cidadezinhas, vilas históricas, igrejas centenárias, castelos medievais e casas coloridas. Sem falar na beleza das flores e na infinidade de cores, é indescritível.

Um pouquinho de informação: O lago de Como é o terceiro maior lago da Itália, depois do lago de Garda e do lago Maggiore. Trata-se de um lago glacial, ou seja, é formado pelas depressões das geleiras derretidas. É um dos lagos mais profundos da Europa, perto de Argegno atinge os 414 metros de profundidade.

Como ir de Milão a Como

Você pode ir de Milão a Como de carro ou de trem. De carro, basta pegar a estrada A9 Milano-Como-Chiasso que, depois de meia hora, 50 quilômetros e 4 euros muito bem gastos com pedágio, você estará em Como, aí é só colocar o carro no estacionamento ou nas áreas onde é permitido estacionar (há uma linha azul pintada no chão, se a linha for amarela não estacione, essas vagas são destinadas aos moradores de Como) e comprar o bilhete da zona azul na máquina (€ 2 a hora).

O trem para Como sai da estação Cadorna e da estação central, a passagem custa aproximadamente € 10 (ida e volta), o trajeto dura em torno de 1 hora e você desembarcará em frente ao lago (estação Como Nord Lago).

A companhia de trem que opera no lago de Como é a Trenord, a passagem pode ser comprada por internet, nas máquinas que estão dentro das estações de trem ou nos guichês. O preço é sempre o mesmo, comprando com antecedência ou diretamente no caixa.
Passeio de barco pelo lago de Como

São duas as opções de transporte pelo lago: os barcos particulares e os barcos públicos.
Os barcos particulares custam € 300 a hora e levam, em média, 12 passageiros. O preço é o mesmo, independente do barco que você escolher e da quantidade de pessoas que estiverem a bordo. Ou seja, se você estiver com um grupo de 4 pessoas, pagará € 300, se estiver com mais 1 pessoa, também pagará € 300.

Os barcos públicos percorrem as 40 cidadezinhas ao redor do lago e o preço das passagens varia entre € 1,30 e € 14,80, dependendo do trajeto escolhido e da época do ano. Os destinos sugeridos são a ilha Comacina, Bellagio, Laglio, Tremezzo e Varenna.

O passeio de barco de Como a Varenna tem a duração de, aproximadamente, 2 horas com o barco lento e de 1 hora com o barco rápido. De Varenna a Bellagio leva menos de 20 minutos. De Bellagio a Como são em torno de 2 horas com o barco lento (€ 10,40) e de 1 hora com o barco rápido (€ 14,80).

Fique atento à rota e aos horários dos barcos, embora saiam do mesmo local, os destinos e a duração dos passeios variam.

O bilhete do barco rápido é mais caro que o do barco lento.

O preço dos bilhetes e o horário dos barcos mudam de acordo com a época do ano.

Dica: se você quiser visitar mais de uma cidade, compre o bilhete de circulação livre (biglietto di libera circolazione), que custa € 25,8, é válido por todo o dia e o número de viagens é ilimitado.

Que cidades visitar no lago de Como

Bellagio – conhecida como a pérola do lago, é uma das cidadezinhas mais bonitas e mais românticas do lago de Como. As principais atrações são a Villa Serbelloni e o lindo jardim da Villa Melzi.
Como – com pouco mais de 90.000 habitantes, é a maior cidade do lago. Os principais pontos turísticos são as igrejas, a vila Olmo e o templo em homenagem ao cientista Alessandro Volta.

Qual é a melhor época para visitar o lago de Como: final de março ao final outubro, ou seja, primavera, verão e começo do outono. Alguns pontos turísticos como a ilha de Comacina, a vila Carlotta, a vila Melzi, a vila Monastero e o castelo de Vezio fecham nos primeiros dias de novembro e só reabrem no final de março.

Carreira: 3 dias para você aumentar sua autoestima

Muito se discute sobre o perfil de liderança – se é algo com o qual se nasce ou se pode ser adquirido ao longo da vida. Alguns acreditam que o caráter de um líder é algo que pode ser trabalhado por meio da experiência, da formação e do desenvolvimento, enquanto outros acreditam que a liderança é um talento nato.

Em um artigo de 2002 da “Harvard Business Review”, Melvin Sorcher e James Brant afirmam: “A nossa experiência nos faz pensar que grande parte da liderança já seja intrínseca à pessoa antes que ela complete 25 anos”. No sentido contrário, um grande banco fez uma tentativa de desenvolver alguns líderes entre os seus 95 mil colaboradores, convencido de que a liderança e a carisma são frutos do desenvolvimento e do ambiente.

Os líderes mais eficientes da história foram rotulados como carismáticos. Os chefes carismáticos são, essencialmente, comunicadores muito hábeis – indivíduos que são verbalmente eloquentes, mas também capazes de se comunicar com seus seguidores em um nível profundo e emotivo. Em outras palavras, são capazes de articular uma visão interessante ou cativante e de suscitar fortes emoções.

Falar das possibilidades

Foque nas coisas que você quer e descubra oportunidades que, de outra maneira, teria perdido. Se você se concentrar apenas nos aspectos negativos da sua situação, nas coisas que você não pode ou não quer fazer, estimulará o pessimismo, o que provoca mais emoções negativas e perda de tempo e energia que poderiam ser utilizados de modo mais construtivo.

Se você quiser mais tempo, fale sobre as coisas importantes que você fará durante o dia, durante a semana ou durante o ano, e não sobre o fato de estar enlouquecido. Se quiser mais sucesso, fale de suas aspirações e de que coisas pode fazer para torná-las realidade, e não de quão grande são os seus problemas. Se quiser mais poder e influência, fale daquilo que fará com a influência que você já tem, e não sobre como ninguém o leva a sério.

Não “tente” fazer as coisas

Se o presidente Kennedy tivesse dito: “Vamos tentar levar um homem à Lua”, ele provavelmente ainda estaria tentando. Há um poder real no modo como você fala sobre aquilo que você quer mudar, alcançar ou se tornar. O “vou tentar” soa como hesitação e ambivalência. Declare a você mesmo e a qualquer um que escute que você está seriamente mudando o jogo e que querer já é algo resolvido: está apenas esperando que seja completado.

A VO Experience é uma modalidade onde você terá uma experiência em odontologia intensiva, podendo realizar o seu tratamento no menor tempo possível, a partir de um plano de tratamento otimizado e com uma equipe de profissionais trabalhando conjuntamente no seu caso de forma totalmente personalizada. É uma modalidade ideal para aqueles que fazem viagens constantes, são de outras cidades, Estados ou países – o que também é conhecido como turismo odontológico – ou, ainda, para aqueles pacientes que possuem quadros de grave ansiedade em relação aos tratamentos odontológicos.

Nunca diga “nunca”

Até Roger Bannister correr um quilômetro em menos de 4 minutos em 1954, pensava-se que isso fosse impossível. Poucas pessoas se preocupavam em tentar. Porém, seis semanas depois de Bannister, John Landy já havia melhorado o recorde em quase um segundo.

A maior parte de nós não tem ideia do que é efetivamente possível. Do mesmo modo, quando usamos termos como esse, entramos em algo que é conhecido como “armadilha linguística” – nos confinamos nos muros que as nossas palavras criam. Então, palavras como “sempre”, “nunca” e “impossível” devem ser muito raras: utilize-as com cautela.

Atenção aos rótulos. Eles o limitam

Quando utilizados nos potes da despensa, os rótulos podem ser muito úteis. Em outros âmbitos, porém, é preciso ter cuidado. Por exemplo: só porque você, às vezes, é preguiçoso, não significa que não possa escolher não ser preguiçoso. Só porque falhou em alguma coisa, não significa que seja um fracasso. E só porque você fez uma escolha errada, não significa que não possa melhorar.

Lide com os nervos

Quando as pessoas carismáticas falam, não mostram nervosismo.

Conheça o novo Aston Martin Vantage

Com chassi em alumínio, o novo Aston Martin Vantage é uma máquina leve. São 1.530 kg que ajudam o veículo a ir de 0 a 100km/h em apenas 3,6 segundos.

Visualmente não há muitas mudanças. A frente permanece quase a mesma da edição anterior, enquanto a traseira traz novidades: vincos mais agressivos e novas lanternas.

Quem quiser botar as mãos em um terá que viajar. No Reino Unido o carro será vendido a partir de 2018 por 120.900 libras. No Brasil pode ser mais difícil encontrar um; infelizmente não existe previsão para essa máquina desembarcar por aqui.

Montar a cavalo ajuda a tonificar vários músculos

O costume de andar a cavalo vem desde a Antiguidade. De lá para cá, o uso do animal se espalhou por todo o mundo e ficou cada vez mais diverso. Inicialmente dominado para auxiliar na locomoção do homem, o cavalo também passou a participar da conquista de novos territórios, de ações militares e até de terapias de crianças e adultos com problemas motores ou psicológicos. Diante de tudo isso, dá até para esquecer que a prática também deu origem a várias modalidades de esporte, além, claro, de exercitar o corpo. A equitação pode ser uma boa alternativa para quem quer deixar a musculatura tonificada e melhorar o equilíbrio e a postura.

LEIA TAMBÉM: Conheça alguns dos melhores campos golfe do Brasil

Ter um cavalo é muito gratificante, oferecem alguns benefícios como o companheirismo, lazer e relaxamento,  porém muitas pessoas as vezes não percebem os benefícios para a saúde que podem ser obtidos ao se ter um cavalo.

Descubra quais são esses benefícios e tenha ainda mais certeza que ter um cavalo é realmente muito recompensador!

   1.   Diminui o estresse

Estudos recentes têm mostrado que a interação mesmo limitada com animais, podem proporcionar uma diminuição da pressão arterial e nos hormônios associados com reações de estresse. O exercício físico é um mediador cientificamente reconhecido de estresse e é claro que as atividades com cavalos oferecem exercício.

   2.   Mantém a massa óssea. 

Todo o exercício de peso que você faz, incluindo equipamentos de reboque do celeiro e transporte de selas, ajuda a manter a massa óssea, o que é importante com a idade.

   3.   Melhora a digestão

Montar um cavalo em rimo de passeio estimula os órgãos internos, assim como andas a pé faz, estimulando a função hepática e digestiva.

   4.   Estimula o lado criativo do cérebro

Treinar um cavalo traz desafios diários que irá força-lo a pensar criativamente sobre como treiná-lo e como resolver um problema em particular. Estar diante de situações ajuda a desenvolver a criatividade para resolver problemas e encontrar o que funciona melhor.

Dentes escurecidos, desalinhados ou com restaurações antigas podem ser corrigidos com facetas laminadas e lentes de contato dentais. O tratamento é eficaz e ágil, pois na maioria dos casos duas sessões são suficientes para transformar completamente o sorriso. AGENDE SUA CONSULTA COM UM DE NOSSOS DENTISTAS

   5.   Mantém -se fisicamente ativo

Equitação e outras atividades que exigem estar ao ar livre em todos os todos de clima, certamente lhes mantêm em movimento. Limpeza de cocheiras, higiene, alimentação, feno, empurrar carrinhos de mão – todas estas tarefas queimam calorias ativamente e mantém os músculos.

 

Trufas: joias preciosas dos amantes da boa cozinha

Entre as iguarias do mundo gastronômico, elas carregam uma posição de enorme destaque: sim, falamos das trufas, a joia preciosa dos amantes da boa cozinha. Não me canso de falar delas.

Elas se dividem entre as brancas e as negras. As brancas guardam uma personalidade selvagem – seu cultivo ainda não é possível, e isso a torna rara e cara: as mais famosas são as de Alba, na Itália, e podem custar até US$ 15 mil o quilo. Mas hoje vamos nos ater às negras, já que sua temporada no Brasil se aproxima, e podemos aguçar o paladar para sua chegada triunfal.

As Tuber melanosporum são características do norte da Europa, como as célebres regiões de Périgord, na França, e Nórcia, na Itália. Como seu cultivo é possível, elas são mais acessíveis – ainda que seu custo também seja um pouco alto, entre US$ 700 e US$ 2 mil o quilo.

No passado, as trufas foram consideradas afrodisíacas e também “coisa do diabo” e “comida de bruxa”

Além de seu terroir de origem, já há produções espalhadas por vários cantos do globo, casos de Austrália,
Nova Zelândia e aqui na América do Sul, no Chile.

As trufas negras são mais resistentes, têm superfície mais rugosa, podem ser lavadas e, no tamanho, variam de uma noz até uma batata grande. A colheita vai de novembro a março e, devido aos trâmites de importação, só agora começam a chegar por aqui.

E, no que interessa ao nosso paladar, as “pérolas” ou “diamantes negros”, como também são conhecidas, têm sabor e aroma mais intensos – e, por suportarem melhor o calor do fogo, ganham ainda mais pontos nesses quesitos. Para tirar melhor proveito da iguaria e desfrutar toda sua potencialidade, são elas que devem brilhar na receita. Esqueça excentricidades ou qualquer outro ingrediente que possa atrapalhar seu protagonismo no prato. Leve a simplicidade ao pé da letra. Isso significa um ovo frito de gema mole, batatas ou aspargos. Outro casamento perfeito é dispor lâminas de trufas raladas na hora em massas preparadas na manteiga, risotos e polentas – sempre dos mais neutros, do tipo “só com um queijo”. O que deve sobressair, sempre, é o aspecto trufado da composição. Para os que não dispensam a carne, a pedida é apostar em bem talhadas fatias de carpaccio ou em um filé alto do tipo tornedor.

Produtos trufados, como azeites, manteigas e cremes, também são uma ótima maneira de ter sempre à mão, o ano todo e por um custo acessível, um pouco dessa joia da natureza.

Você sabia?

As trufas já foram consideradas afrodisíacas na Antiguidade e viraram “coisa do diabo” e “comida de bruxa” na Idade Média. Segundo registros históricos, o mito caiu por terra e o consumo só voltou ao normal graças ao rei Luís XIV, que era um amante da iguaria.

E não é lenda: cães e porcos são os melhores caçadores desses fungos que nascem nas raízes de determinadas árvores, como carvalho, salgueiro e tília. Você pode participar de uma caçada quando estiver na Europa. Na Itália, por exemplo, há empresas que organizam tours em regiões famosas por suas trufas, como Umbria, Piemonte e Toscana.

Se você tiver que cuidar de uma, por uma semana que seja, procure manuseá-la o mínimo possível até que a feliz data de levá-la à boca chegue. É importante mantê-la segura contra a ação do tempo em um recipiente fechado e sobre uma camada de grãos de arroz – isso ajuda no controle da umidade. Por fim, dica de ordem: limpar e ralar, só na hora que for usar.

Arraial Gastronômico Beneficente em Boiçucanga reúne chefs em prol do Projeto Buscapé

Projeto Buscapé arma VI edição do Arraial Gastronômico em Boiçucanga

Boiçucanga, no litoral de São Paulo, vai ficar mais agitada nos dias 21, 22 e 23 deste mês. O motivo? O Projeto Buscapé, que existe desde 2006 e oferece aulas de culinária, além de atividades culturais e esportivas para crianças e jovens de baixa renda da região, organiza nessas datas a VI edição do Arraial Gastronômico, que tem como principal objetivo arrecadar dinheiro para o projeto criado pelo chef Eudes Assis.

Canjica com farofa de paçoca salgada do Chef Patisserie Igor Arantes.

Neste ano, vários chefs já confirmaram presença, entre eles Lucas Corazza, Marcelo Corrêa Bastos, do Jiquitaia, Igor Arantes do SoulDoce, Ivan Ralston, do Tuju, Juliano Valese, do Torero Valese, Norberto, do Frangó, Checho Gonzales, da Comedoria Gonzales – é a oportunidade de provar iguarias locais receitas premiadas  e saborosas como a Canjica com farofa de paçoca salgada(foto) do Chef Patisserie Igor Arantes. Tudo em clima de lá em casa, com música boa e animação nas alturas. Todos os pratos custarão entre R$5 e R$15 e a arrecadação será revertida em prol da instituição. Agende-se!

Arraial Gastronômico do Projeto Buscapé
Entre os dias 21 e 23 de julho – 19h às 0h
Praça do Por do Sol – Praia de Boiçucanga – São Sebastião – SP
Entrada Grátis

Fonte: http://glamurama.uol.com.br

NO DIA MUNDIAL DO LIVRO NADA MELHOR QUE ALGUMAS DICAS DE LEITURA

Você é aquele leitor que faz uma lista de desejo para ter muitos livros para ler nos próximos meses? A gente entende, pois também gostamos muito de estar com um clássico livro nas mãos. Ou descobrir novos escritores e curtir as suas obras. Confira as dicas que preparamos para você

O Homem Mais Inteligente da História

Augusto Cury entre os melhores, mais uma vez!

Mais um livro de Augusto Cury entre os melhores de 2017! Nele, o psicólogo e pesquisador Marco Polo fez um estudo sobre mente e gestão da emoção. Depois de passar por uma perda pessoal, ele viaja a Jerusalém, e lá surge a pergunta: Jesus gerenciava sua própria mente? Marco, ateu, responde que religião e ciência não se misturam. Mas, curioso, decide estudar a inteligência de Cristo em relação às ciências humanas. Esse estudo foi bastante surpreendente, e suas próprias crenças passaram a ser questionadas.

Orgulho e Preconceito

Muito além de uma história de amor

A história de amor entre Elizabeth Bennet e Fitzwilliam Darcy torna-se muito mais envolvente graças à criatividade (e inteligência) da autora Jane Austen. Nesse livro, encontramos diálogos ágeis e, diversas vezes, até irônicos. Vale destacar que a obra faz uma divertida crítica aos costumes sociais da época. Não por acaso, é considerado um dos melhores livros até os dias de hoje.

Cem Anos de Solidão

Há muitos anos sendo um dos melhores livros

Finalizamos a nossa lista de melhores livros com uma das obras mais importantes da Literatura Latino-americana. Nesse livro, do escritor colombiano Gabriel Garcia Márquez, conhecemos a família Buendía, e seus momentos de fracasso ou sucesso. Acontece que essas pessoas têm algo em comum: a solidão, mesmo vivendo em grupo. É um livro com muitos personagens, então vale ficar atento a cada um deles – e aproveitar a riqueza da obra!

A Garota Exemplar

Um livro de suspense que vai te prender do início ao fim

No quinto aniversário de casamento de Amy e Nick Dunne, algo estranho acontece. Amy desaparece da casa que fica à margem do rio Mississipi e, ao que tudo indica, seu marido é o principal suspeito do que aparenta ser um assassinato. Ao mesmo tempo que afirma inocência, Nick começa a desvendar mentiras e comportamentos estranhos que o rodeia. Afinal, se não foi Nick e não tinha mais ninguém com eles…. Onde está Amy?

SP-Arte 2017: Festival Internacional de Arte de São Paulo

pedro-david-blau-projects_sufocamento-34-2017-da-sc3a9rie-madeira-de-lei_cortesia-blau-projects

A SP-Arte entra em sua 13ª edição com novo sobrenome: Festival Internacional de Arte de São Paulo. O evento acontece entre quinta (6) e domingo (9), no Pavilhão da Bienal, com a presença de 159 galerias (134 de arte moderna e contemporânea e 25 de design) de doze países. O negócio que há muito deixou de ser apenas uma plataforma comercial transborda os limites do prédio.

Neste ano, ao menos 180 eventos paralelos tomam espaços culturais da metrópole, incluindo aberturas de exposições, performances, lançamento de livros, coquetéis, debates e festas. Não à toa, justamente em função da SP-Arte e da Bienal, São Paulo é hoje considerada uma das dez cidades mais influentes do globo quando o assunto é arte.

Confira os destaques da programação e as grandes novidades da edição:

Starry Pumpkin, de Yayoi Kusama, integra o estande da Japan House que apresenta artistas nipônicos (Cortesia de Ota Fine Arts, Tokyo/Yayoi Kusama/Veja SP)
japan-house_yayoi-kusama_courtesy-of-ota-fine-arts-tokyo_singapore

Arte japonesa: Obras de Yayoi Kusama, como Starry Pumpkin, são sempre um chamariz de público. Outros artistas japoneses nem tão conhecidos por aqui também serão representados em peso. Fique de olho no estande da Japan House e das galerias Taka Ishii e White Rainbow.

repertorio_richard-long_lisson-gallery_crc3a9dito-josc3a9-luis-gutic3a9rrez_courtesy-cac-mc3a1laga

Circle for Sally, de Richard Long integra o setor Repertório (José Luiz Gutiérrez/Veja SP)

Referências mundiais: Nomes célebres como o italiano Michelangelo Pistoletto e o britânico Richard Long, fazem parte do novo setor da feira, o Repertório. Formado por dezesseis galerias nacionais e estrangeiras, o núcleo mostra trabalhos de artistas importantes nascidos até os anos 50.

Alexandre Heberte apresenta seu trabalho no estande do projeto Melissa Meio-Fio (Vtao Takayama/Veja SP)
melissa-meio-fio-alezaxandre-heberte

Talentos urbanos: O projeto Melissa Meio-Fio buscou artistas periféricos ao tradicional mercado de arte para apresentar sua produção na feira. Alexandre Heberte, Linn da Quebrada e Tasha e Tracie — que têm a cidade de São Paulo como inspiração — compõem uma mostra num estande especial.

Visitas guiadas gratuitas: nove trajetos de 45 minutos cada (Pétala Lopes/Veja SP)
foto-pc3a9tala-lopes

Visitas guiadas: Chega de ficar perdido pelos três andares do prédio da Bienal e pelas centenas de estandes que cabem ali. Nesta edição, curadores selecionados pela equipe da feira vão guiar grupos de quinze pessoas e indicar obras imperdíveis e artistas destacados. São nove trajetos divididos por temas que têm a duração de 45 minutos cada um. As inscrições gratuitas devem ser feitas pelo e-mail visitas@sp-arte.com.

Pavilhão da Bienal. Parque do Ibirapuera, portão 3. Quinta (6) a sábado (8), 13h às 21h; domingo (9), 11h às 19. R$ 45,00.

Fonte: Veja SP

Conheça o incrível polo gastronômico francês de Périgueux

Périgueux-frança-rep-forbes

Entre as dezenas de regiões administrativas da França continental, a região sudoeste de Nova Aquitânia é a maior delas: é lá que vivem quase seis milhões de pessoas, em uma área maior do que toda a Áustria. Há mil anos, a Aquitânia, cujas fronteiras mudaram ao longo do tempo, foi reconhecida como uma das regiões mais ricas desta parte da Europa do ponto de vista agrícola. Hoje, ela é subdividida em sete departamentos, sendo o mais oriental deles um ponto gastronômico conhecido como Dordonha, também chamado de Périgord, cuja capital é Périgueux.

Onde fica Périgueux

Périgueux está localizada nos bancos do rio Isle. A cidade é da época em que os integrantes da tribo Petrocori se juntaram aos romanos para criar Vesunna. A região ao redor da cidade é conhecida como a Périgord Blanc, em função da abundância de afloramentos calcários locais.

Os festivais de verão celebram pratos à base de lagosta, aves, carnes e vinho, enquanto no outono e no inverno os cogumelos porcini, as trufas e as castanhas ganham espaço

Um dos locais que devem fazer parte do city tour é o escritório de turismo na Place Francheville (o horário de expediente pode não ser muito regular, por isso verifique com antecedência na internet). Lá é possível adquirir gratuitamente mapas da cidade e da região. Mesmo quem já tem algum conhecimento sobre o turismo local adquirido em publicações especializadas, pode aprender muito sobre os festivais regionais.

perigueuxImagem/Google Maps

Apesar de não ser tão charmosa quanto a cidade de Bordeaux, há ótimas atrações na cidade que fazem a viagem valer a pena. Entre elas estão o museu militar, o Vesunna Gallo Roman Museum e o Museu de Arte e Arqueologia – o quarto mais importante do país graças às descobertas arqueológicas que dão fama à Dordonha. O festival anual de Saint-Georges, realizado no início de maio, é um dos mais antigos da Aquitânia e reúne 25.000 visitantes para corridas de bicicletas, competições de pesca, barracas de comida e fogos de artifício.

Dordonha-Périgord é conhecida pela sua comida. Os festivais de verão celebram pratos à base de lagosta, aves, carnes e vinho, enquanto no outono e no inverno os cogumelos porcini, as trufas e as castanhas ganham espaço. Este foco em alimentos ricos é motivo suficiente para visitar os mercados ao ar livre realizados todas às quartas-feiras e sábados em Périgueux. Três mercados são mantidos em três praças na região da Basílica-Catedral Saint-Front de Périgueux.

perigueux

Gastronômia em Perigueux: Atrações para encher os olhos e os sentidos

Além disso, se essa catedral lembra a basílica de Sacré-Coeur, em Paris, há um motivo: a reconstrução do século 19 foi conduzida pelo mesmo arquiteto, Paul Abadie. Atualmente, a obra é tombada pela UNESCO como patrimônio mundial.

O evento principal ocorre na quadra de Place de la Clautre – que já serviu de espaço para execuções públicas e, agora, dá lugar a vários estabelecimentos para tomar café. Considere andar ao redor dos três lados periféricos do mercado antes de explorar o interior.

No local há pães assados de diferentes tamanhos e com diferentes nomes preparados na hora: batard, tourte, couronne e ficelle. Frutos do mar incluem linguado de Royan, caranguejos vivos, filés de peixe dourado e vieiras. Grandes barracas de legumes vendem cebolas vermelhas e aspargos brancos. Também é possível comprar abóbora Butternut e cogumelos chanterelle ou, dependendo da estação, cogumelos porcini. Outras combinações coloridas incluem sal de trufa, óleo de morango, mel de castanha, mostarda de nozes, iogurte de leite de cabra de sabores variados, chocolate coberto por cranberry e chá de hortelã-pimenta. Para completar, é possível encontrar, ainda, figo, mirtilos, geléias de marmelo e ameixa seca, salsichas aromatizadas com especiarias bascas, avelãs e carne de veado. Este é também um centro de foie gras, cuja elaboração tem sido transmitida de uma geração a outra.

Explorar é viver

Com apenas dois minutos de caminhada é possível chegar a um pequeno mercado localizado dentro do Place de la Coderc. Lá estão à venda peito de pato (magret de canard), coelhos frescos, pimenta vermelha ou de Sichuan e geléia de tomate verde.

Se você visitar a região em um dia em que os mercados não estejam funcionando, aproveite as lojas locais. Para lembrancinhas, vá ao outlet Rue Limogeanne, que vende facas Couteau de Nontron. Com seus punhos com gravuras, elas são produzidas em Dordonha há seis séculos.

Quando o sino da basílica toca, ao meio dia, os vendedores batem palmas como um sinal de que é hora de arrumar a casa. Eles então começam a colocar os aspargos em caixas, os repolhos em sacos e as frutas nas cestas, preparando-se para ir embora.

Para almoçar na cidade, uma sugestão é experimentar o cassoulet de Périgord, um prato de sopa com feijões brancos, legumes, presunto local e uma perna de ave. Além disso, tome cuidado com a bebida: este prato vai dominar qualquer vinho, exceto um tinto encorpado. Considere uma garrafa de Cahors ou Bergerac.

Depois de explorar Périgueux, você pode dirigir e conhecer mais de Dordonha-Périgord. Viaje para o sul, para o vale Dordogne River, para visitar as cavernas e museus com achados pré-históricos, ou para o oeste, para provar os vinhos de Bergerac. Se o GPS o conduzir para fora de uma estrada principal, por ruas estreitas cercadas por campos, considere isto um presente. Relaxe e aproveite esta aventura incrível fora da rota tradicional.

Fonte: Forbes

Arte: dicas de exposições para o mês de abril em São Paulo

dicas de exposicoes abril

Se você é um amante da arte e busca boas dicas para exposições em São Paulo. Confira alguns dos destaques para as próximas semanas.

O Céu Ainda é Azul, Você Sabe…

o ceu ainda é azul

Entre os dias 1 de abril e 28 de maio, o Instituto Tomie Ohtake recebe a exposição “O Céu Ainda é Azul, Você Sabe…“, de Yoko Ono. Serão 65 trabalhos que pretendem revelar os elementos básicos da carreira da artista, sempre com forte engajamento político e social.

Intituladas “Instruções”, as peças evocam a participação do público, questionando a ideia por trás de uma obra artística. Entre elas estão “Respire” (1966), “Sonhe” (1964), “Sinta” (1963) e “Imagine” (1962).

As tais instruções vão desde sugestões práticas (como furar ou carimbar telas) até as aplicáveis nos campos poéticos e imaginários (observe o Sol ou pegue um pedaço do céu).  Além disso, a mostra também conta com uma série de filmes, sendo dois deles concebidos ao lado de John Lennon – “Estupro” (1969) e “Liberdade” (1970).
yoko1-filme
Still de “Estupro” / Reprodução

Os ingressos custam R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia), e podem ser adquiridos pelo site ingresse.com. Ao comprar o ingresso, o visitante deve escolher o período de visitação desejado – 11h às 13h, 13h às 15h, 15h às 17h ou 17h às 20h.

SERVIÇO

O Céu “Ainda é Azul, Você Sabe… 
Onde: Instituto Tomie Ohtake
Quando: 1 de abril a 28 de maio, 11h às 20h
Preço: R$ 12 (inteira) / R$ 6 (meia)

 

gallery night

Arte à noite

Até o dia 9 de abril, acontece em São Paulo mais uma edição do SP-Arte, com palestras, performances, lançamentos e encontros que promovem a troca entre público e profissionais da cena artística contemporânea. A novidade em 2017 é que o evento adere, pelo segundo o ano, o Gallery Night.

Trata-se de uma vertente do SP-Arte que abriga em diversos espaços da capital visitas guiadas e confraternizações em horários estendidos. O Gallery Night acontece nos dias 3 e 4 de abril, das 17h às 22h, com programação dividida entre os bairros da Vila Madalena, Pinheiros, Jardins e Itaim.

Participam galerias, museus e centros culturais como Choque Cultural, Millan, Tomie Ohtake, Mendes Wood DM, Zipper, Vermelho e Sesc Pompeia. Você pode conferir a programação completa clicando aqui.

 

100 anos do Modernismo no MAM

Celebrando os 100 anos do Modernismo, um dos movimentos artísticos mais marcantes da história do Brasil, o MAM (Museu de Arte Moderna) abre sua temporada de 2017 com duas exposições sobre o tema: “Anita Malfatti: 100 Anos de Arte Moderna” e “O Mercado de Arte Moderna de São Paulo: 1947 – 51”.

Vasconcelos Odontologia

As mostras seguem em cartaz até o dia 30 de abril. O espaço, localizado no Parque do Ibirapuera, abre as portas de terça a domingo, das 10h às 17h. A entrada é gratuita aos sábados – nos demais dias o ingresso sai por R$ 6, com direito à visitação das duas exposições.

Com curadoria de Regina Teixeira de Barros, “Anita Malfatti: 100 Anos de Arte Moderna” ocupa a Grande Sala com cerca de 70 obras, entre desenhos e pinturas de retratos, nus e paisagens.

anita2
“Meu Irmão Alexandre” (1914), de Anita Malfatti / Divulgação

Já “O Mercado de Arte Moderna de São Paulo: 1947 – 51” relembra o espaço expositivo da Galeria Domus, um dos mais importantes pontos artísticos da cidade nos anos 1950. As obras da coleção estarão expostas na Sala Paulo Figueiredo com trabalhos de artistas como Tarsila do Amaral, Lívio Abramo, Victor Brecheret, Di Cavalcanti e Alfredo Volpi.

anita
“Paisagem” (1948), de Tarsila do Amaral / Divulgação

SERVIÇO

Anita Malfatti: 100 Anos de Arte Moderna + O Mercado de Arte Moderna de São Paulo: 1947 – 51
Onde: MAM (Museu de Arte Moderna)
Quando: Terça a domingo, das 10h às 17h, até 30/4
Quanto: R$ 6 (grátis aos sábados)

 

Fonte: Guia da Semana