Por que todo CEOs deveria aprender a surfar?

surfe é um esporte de aventura, classificado até como radical. Exige equilíbrio, força, disposição e atenção diante da imprevisível movimentação do mar. O desafio é se manter o maior tempo possível de pé na prancha, enquanto desliza e pratica manobras sobre as ondas. Mais do que isso: é saber entender seus limites e se projetar ao desconhecido com a vontade de viver aquela experiência.

O exercício é individual – o surfista pensa, calcula e age sozinho em uma imensidão de águas. Ao se colocar no mar, ele não sabe o que esperar. Por todas essas características, o surfe pode ser usado como uma excelente metáfora para os negócios. Assim como no mundo corporativo, empreendedores se veem diante de incertezas e agarram oportunidades sem saber o destino ao certo. Eles se aventuram e procuram atingir o topo da onda.

Um CEO e um surfista têm objetivos – estão em busca de algo – e, diante de surpresas, usam da criatividade e testam novas abordagens em manobras para manter a estabilidade e não cair.

1. É preciso saber lidar com a natureza

A natureza é um elemento poderoso. Assim como acontece nos mares, os líderes empresariais criam cenários imaginários com todas as possíveis variáveis, mas o mercado age e reage sem que seja possível antever todos os fatores. Deste modo, a capacidade de se adaptar e entender o meio é mais do que necessária.

2. Não há como ser um grande surfista em um mar seguro e sem ondas

O surfe exige que o mar esteja mais agitado e com ondas para acontecer – ou seja, com riscos. O bom surfista vê na oscilação e na incerteza a oportunidade, mesmo que isso o assuste. Diante de constantes transformações no mercado e nos negócios, o líder precisa ser capaz de enxergar oportunidades nestas ondas e ter a coragem de aproveitar o que possa vir de bom delas.

3. É papel do surfista – e do líder – saber dosar e assumir os riscos

O autoconhecimento é indispensável para saber o quanto é possível aproveitar uma oportunidade e quando é a hora de deixar passar e apenas se proteger. Há grandes ondas, as chances únicas, e outras que são mais do que se pode administrar – o que pode ser muito arriscado e até fatal. É imprescindível que o líder saiba quando a oscilação é boa e quando o excesso dela pode ser prejudicial.

4. O esporte exige que a pessoa reconheça suas limitações

O surfe exige muito e expõe a integridade física daqueles que não estão aptos. No mundo dos negócios, é necessário conhecer bem suas virtudes e limitações: um indivíduo pode ser o melhor surfista em ondas rápidas e péssimo em oscilações grandes. Ao compreender isto, será mais fácil se dedicar a algo com um maior potencial de sucesso.

5. O melhor surfista é aquele que sabe usar suas habilidades para aproveitar as forças que não controla

Não há como controlar tudo. Humildade diante do mundo ainda é uma virtude. Esta é uma lição aos CEOs também: não é o mais forte que vence, mas o que melhor se adapta às novas circunstâncias e diferentes variáveis.

 

Premiação na Itália elege os super iates do mundo

Todo inverno no Hemisfério Norte, os maiores projetistas e construtores de iates se reúnem com proprietários e entusiastas para esquiar, festejar e compartilhar ideias, além de conhecer e premiar os designs mais extraordinários no Boat International Design & Innovation Awards. Neste ano a premiação, que em geral tem lugar em um resort para esqui na Europa, aconteceu na comuna de Cortina d’Ampezzo, na Itália. No total, 61 iates foram analisados por especialistas em dezessete categorias, com uma variedade de critérios estéticos, técnicos e de inovação. Entre os premiados, desde Black Pearl, com 105 metros de comprimento, até Elandess, de 74 metros, que levou quatro troféus para casa por seu design inspirado e a sua engenharia impecável.

Todo inverno no Hemisfério Norte, os maiores projetistas e construtores de iates se reúnem com proprietários e entusiastas para esquiar, festejar e compartilhar ideias, além de conhecer e premiar os designs mais extraordinários no Boat International Design & Innovation Awards. Neste ano a premiação, que em geral tem lugar em um resort para esqui na Europa, aconteceu na comuna de Cortina d’Ampezzo, na Itália. No total, 61 iates foram analisados por especialistas em dezessete categorias, com uma variedade de critérios estéticos, técnicos e de inovação. Entre os premiados, desde Black Pearl, com 105 metros de comprimento, até Elandess, de 74 metros, que levou quatro troféus para casa por seu design inspirado e a sua engenharia impecável.

A premiação de 2019 contou com uma nova categoria: Game Changer (ou “mudança de jogo”, em tradução livre), vencida pela Tankoa Yachts, a empresa construtora do Solo, iate de 72 metros de comprimento com características exclusivas, como paredes de vidro, piscina e jardim de inverno.

Dentro dessa perspectiva de promover a inovação, a competição reconhece talentos em ascensão e premia estudantes com o título de “Jovem Designer do Ano”. O desafio de projetar um iate moderno e elegante, movido a motor, com 80 metros de comprimento, foi vencido por Yihharn Liu, por sua criatividade no design da embarcação.

O último prêmio a ser entregue, no início do Simpósio de Design de Super Iates promovido pela “Boat International Media”, foi o Lifetime Achievement Award (“Prêmio de Maior Conquista da Carreira”, em tradução livre). O prêmio foi concedido ao designer de iates Ron Holland, da Nova Zelândia. Sua carreira de mais de cinco décadas inclui iates icônicos como o Mirabella V, Juliet, Felicita West, Diamond Forever, Cyclos, Perseus III e o Ethereal.

Conheça alguns dos clubes de golfe mais exclusivos do mundo

Neste ano, a lista dos 100 melhores clubes de golfe conta com representantes de 30 países, dos mais variados continentes. Pela primeira vez na história do ranking, o Augusta National foi escolhido o melhor do mundo, nas categorias golfe e country clubs. Anfitrião do U.S. Open de 2018, o Shinnecock Hills passou do 7º para o 3º lugar na classificação. E o Merion Golf Club, que foi sede da competição no ano anterior, subiu da 9ª para a 5ª colocação. Já o Baltusrol ficou entre os dez melhores pela primeira vez.

Entre os vinte primeiros colocados, há outros clubes internacionais, como o R&A (Escócia), Royal Melbourne (Austrália), Muirfield (Escócia), Morfontaine (França), Sunningdale (Inglaterra) e Shanqin Bay (China), o primeiro asiático a alcançar o top 20 na história da “Platinum Clubs of the World”.

 

1.Augusta National Golf Club (Geórgia, EUA)

Conhecido por ser um clube exclusivamente masculino, o Augusta abriu suas portas para mulheres com a chegada de Condoleezza Rice e Darla Moore. Com apenas 300 membros, entre eles Warren Buffet, diretor executivo da Berkshire Hathaway, e o magnata Bill Gates, o clube é lar do torneio Masters de Golfe. As taxas de admissão ao complexo, projetado pelo campeão no esporte Bobby Jones e pelo arquiteto Alister MacKenzie, variam entre US$ 250 mil e US$ 500 mil.

 

2. Pine Valley Golf Club (Nova Jersey, EUA)

O Pine Valley Golf Club é conhecido por ter aquele que pode ser o melhor campo de golfe do mundo. Você não pode pedir para entrar no clube: precisa ser convidado. A seleção dos convidados é feita pelo conselho de diretores da associação. Membros do clube, fechado para homens, podem levar as mulheres como convidadas aos domingos.

 

3. Shinnecock Hills Golf Club (Nova York, EUA)

Shinnecock já recebeu o U.S. Open inúmeras vezes. A única forma de jogar no campo da cidade de Southampton é acompanhado por um membro do clube, e as reservas precisam ser feitas com meses de antecedência. As taxas giram em torno de US$ 350 por round, e é preciso contratar um carregador de tacos, já que se caminha de um campo a outro.

 

4. The Royal and Ancient Golf Club of St Andrews (Escócia)

Fundado em 1754, o Royal and Ancient Golf Club é o clube mais antigo e prestigiado do mundo. Localizado na cidade de St Andrews, é conhecido como “Lar do Golfe”. O clube tinha uma política de admissão restrita a homens até 2015, quando recebeu a Princesa Ana como primeira sócia honorária. O único jeito de entrar para o clube é por convite. Mas não é tão pequeno o número de sócios: são 2,4 mil, de diversas partes do mundo.

5.Golf de Morfontaine (França)

Projetado no século 19 para o duque de Guiche e seus amigos, o campo ainda hoje mantém muito do design original. Anos depois da morte do nobre, em 1962, o clube se tornou propriedade de seus 450 membros e segue o mais exclusivo da Europa continental.

Por que ir a região vinícola de Barolo, na Itália

É difícil imaginar uma maneira mais aprazível de passar um fim de semana prolongado no final do outono do que viajar pela bela zona rural de Langhe, no Piemonte, conhecida por sua produção de vinhos, classificados entre os melhores italianos, como Barolo e Barbera d’Alba.

A Strada del Barolo e grandi vini di Langa, ou trilha do vinho Barolo, sugere uma série de itinerário de carro e a pé que ajudarão os interessados a se familiarizarem com a região.

Pontilhada de castelos, aldeias fortificadas e muitas vinícolas, bem como de trattorias e restaurantes que servem a sublime cucina piemontese, essa paisagem forrada de vinhedos é imperdível para qualquer apreciador de vinhos.

 

Aprecie a vida do castelo – com uma visita ou uma estadia
Castelos são comuns em muitas partes do Piemonte, região estrategicamente importante desde os tempos romanos. Você pode visitar o bem preservado Castello di Monticello D’Alba, em Monticello D’Alba, propriedade dos condes de Roero, cuja família mora lá desde o século 14. O castelo, com interiores de safras mais “recentes”, ou seja, que datam do século 18 em diante, está aberto aos domingos (e durante a semana para grupos de 15 pessoas ou mais).

Castello di Pralormo
Caso queira viajar um pouco ao norte (25 quilômetros de Alba), o imponente Castello di Pralormo, em Pralormo, também habitado por uma família aristocrática, pode ser visitado aos domingos, de março a novembro. Na propriedade estão as “suítes rurais” das casas do jardineiro, onde os visitantes podem se hospedar.

Castello di Guarene
Para experimentar uma versão moderna e suntuosa da vida em um castelo ou palácio, dirija-se ao esplêndido Castello di Guarene, do século 18, um hotel Relais & Chateaux em Guarene com raízes na Idade Média.

Quem pode colocar o aparelho ortodôntico invisível?

A procura pelo aparelho ortodôntico invisível por quem deseja alinhar os dentes e deixar de lado aquela imperfeição no sorriso que tanto incomoda é cada vez mais comum.

Ele é perfeito  para aqueles que se incomodam com a aparência que o clássico aparelho ortodôntico proporciona É uma excelente opção para quem deseja aliar um tratamento de qualidade com conforto, discrição e praticidade. Na maioria dos casos, seu uso passa despercebido e suas vantagens vão muito além da estética.

benefícios do uso do aparelho ortodôntico invisível.

MAS QUEM PODE COLOCAR O APARELHO ORTODÔNTICO INVISÍVEL?

O tratamento  pode ser feito em pacientes de todas as idades, desde crianças até pessoas mais idosas. O aparelho ortodôntico invisível é indicado tanto para quem deseja fazer correções mais simples no sorriso, como corrigir dentes separados (diastema), dentes encavalados ou que saíram do lugar quanto nos casos extremamente complexos. Isto é, ele também pode ser indicado para problemas mais complexos. No entanto, isso só é possível se o dentista possuir a experiência e domínio sobre a técnica pois, a biomecânica é muito diferente e exige estudo, muito estudo do profissional.

benefícios do uso do aparelho ortodôntico invisível.

Conheça 6 principais benefícios do uso do aparelho ortodôntico invisível.

O que é o aparelho ortodôntico invisível?

Em linhas gerais, o aparelho ortodôntico invisível é uma estrutura removível, confeccionada de acordo com a arcada dentária do paciente. Ele é constituído por um conjunto de alinhadores transparentes e feitos sob medida em modernas impressoras 3D.

Assim sendo, é uma excelente alternativa para quem deseja ter um sorriso bonito com o máximo de conforto, na medida em que, além de ser removível, ele não possui fios, bráquetes e bandas como nos modelos de aparelho fixo.

Quais são os principais benefícios do ortodôntico invisível?

1. É discreto e imperceptível

Muitas pacientes rejeitam o aparelho metálico por causa da estética que ele apresenta durante o tratamento. Já com o aparelho invisível é possível evitar essa condição, pois, ele é confeccionado praticamente invisível e vem já no formado da sua arcada dentária do paciente. Por isso, se encaixa perfeitamente nos dentes, o que torna seu uso praticamente imperceptível.

2. É confortável

Esqueça as bandas, fios e demais peças de metal ou porcelana dos aparelhos tradicionais. Isso torna o aparelho ortodôntico invisível bastante confortável, uma vez que não existe a necessidade do uso das peças dos modelos convencionais que contribuem para que apareçam irritações e aftas na boca.

3. Traz mais praticidade

O alinhador ortodôntico é móvel e, assim, pode ser retirado, sem desconfortos, quando você precisar comer ou beber. Durante o tratamento, você pode removê-lo quando for conveniente, como em jantares, festas e eventos corporativos. Por não necessitar de nenhum acessório para essa ação, o aparelho é facilmente retirado pelo próprio paciente.

benefícios do uso do aparelho ortodôntico invisível.

4. Mantém a saúde da gengiva

O fato de o aparelho ser removível também interfere na praticidade para realizar a limpeza diária. Passar fio dental entre os fios e bráquetes do aparelho convencional pode ser trabalhoso. Muitas vezes a escovação não é feita 100%, e isso contribui para o surgimento de tártaro e de problemas gengivais.

Na técnica das placas ortodônticas removíveis, para passar o fio dental e realizar a escovação, basta remover o alinhador e pronto. Dessa forma, a higiene bucal pode ser feita de forma bem mais completa.

5. Melhora a autoestima

Os dentes desalinhados podem causar problemas de má oclusão, mas também podem atingir a autoestima. Em contrapartida, o aparelho convencional também pode atrapalhar a estética do rosto e causar desconforto. O uso do aparelho ortodôntico invisível contribui para trazer mais confiança, sem interferir em sua vida pessoal ou profissional, afinal, na maioria dos casos, as pessoas nem percebem que você o está usando.

 

6. Tratamento em menor tempo

A duração do tratamento feito com o aparelho invisível é bem menor do que com o tratamento convencional ortodôntico e traz os mesmos resultados. No entanto, esse modelo de aparelho ortodôntico prioriza a estética, o conforto, a higiene e a praticidade durante o processo de alinhamento dos dentes.

Mas vale lembrar que, para que o tratamento tenha sucesso, o paciente precisa cooperar com o processo. Além disso, o cirurgião-dentista precisa ter o conhecimento necessário para proceder com esse tipo de intervenção em seu consultório.

 

Dente escurecido. Conheça algumas soluções para tornar o seu sorriso mais branco, bonito e sem manchas.

O surgimento de um dente escurecido sempre é motivo de grande preocupação. Esse problema pode ser resultante de fatores como: uso de antibióticos, placa bacteriana, tratamento de canal, tabagismo e, até mesmo, traumas causados por um acidente ou queda, por exemplo.

Além da questão estética, outro problema é a autoestima do paciente, que fica afetada com o escurecimento dos dentes. Afinal, um sorriso bonito é importante tanto para a vida pessoal como para a profissional.

Dente escurecido. Conheça algumas soluções para tornar o seu sorriso mais branco,

Mas o que fazer? Independentemente da causa do dente escurecido, a Odontologia tem diversos tipos de tratamentos possíveis para tornar o seu sorriso mais branco, bonito e sem manchas. Confira!

 

Restauração com facetas laminadas para dente escurecido

Em caso de tratamento de canal que escureceu o dente, traumas ou uso de antibióticos, o dentista pode fazer o clareamento seguido da aplicação de facetas laminadas

Entretanto, se eles estiverem tortos, o indicado é a correção ortodôntica prévia para prevenir grandes desgastes e ter um tratamento mais conservador, mas, se há alguma objeção ao uso do aparelho fixo, leia sobre a alternativa praticamente invisível, confortável e higiênica do alinhador ortodôntico.

 

Lentes de contato dental

Trata-se se uma excelente opção para quem deseja corrigir as imperfeições na coloração dos dentes. Quando indicado e feito por um dentista competente, pode disfarçar manchas e descolorações, oferecendo um aspecto mais bonito e harmônico ao sorriso.

Os dentes escurecidos pelo tempo ou com excesso de restaurações podem ser muito beneficiados pelas lentes de contato. O tom de branco pode ser escolhido diretamente no consultório, após a avaliação do dentista que será responsável pelo tratamento.

 

Coroas dentárias

A coroa dentária de cerâmica também é indicada para o dente escurecido, desde que a parte “lingual” do dente tenha alguma restauração ou já esteja danificada.

Esse tipo de procedimento é bastante interessante. Contudo, deve ser criteriosamente avaliado pelo dentista, para que seja verificada a viabilidade do uso da coroa dentária para o seu caso.

Peças de design colecionáveis da 6ª edição MADE

A 6ª edição da MADE (Mercado.Arte.Design), a primeira e maior feira de design colecionável da América Latina trouxe muitas novidades. A edição deste ano reuniu mais de 100 expositores, nacionais e internacionais, até o dia 1o de julho no Pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Os sócios Waldick Jatobá, Elcio Gozzo e Bruno Simões são os idealizadores do evento.

Todos os anos, a iniciativa tem como base um tema relacionado ao universo criativo do design. Em 2018, o mote é Machine Art after Philip Johnson, inspirado na exposição de 1934 do Museu de Arte Moderna de Nova York, o MoMA, que, na época, trouxe pela primeira vez o design industrial para dentro de um museu, elevando os utensílios ao status de escultura.

Simultaneamente à feira, a programação também contou com talks, exposições, espaço gastronômico (com curadoria de pequenos produtores) e premiação.

Designers como os brasileiros Carol Gay e Zanini de Zanine exporam suas peças ao longo dos cinco dias do evento.

Carrinho Nelson Pequi, de Zanini de Zanine

Feito em madeira pequi, ipê e peroba de demolição, a peça faz parte da série Brinquedos Brasileiros do designer Zanini de Zanine para a Herança Cultural. A série resgata, por meio das memórias de infância do designer, o universo lúdico dos brinquedos artesanais em madeira. Com referências na cultura brasileira, uma seleção de jogos e objetos são apresentados e produzidos graças à carpintaria, utilizando madeira de reaproveitamento.

Mesa de Jantar Registro, de Leo Capote

Na mesa de Jantar Registro, o designer Leo Capote aposta na junção de aço, vidro e madeira, transitando entre momentos em que a utilização dos materiais rústicos apresentam uma elegância em formatos geométricos e novos dentro do nosso universo.

Coleção Tangível, de Fabiana Queiroga

Natural de Goiânia, Fabiana Queiroga é formada em Artes Visuais, com habilitação em design gráfico e pós-graduada em Arte Contemporânea pela Faculdade de Artes Visuais (FAV-UFG). Professora e pesquisadora, Fabiana atua ainda como artista plástica, designer de comunicação e moda, emprestando aos vários espaços que ocupa à multiplicidade de conhecimentos que acumula.

S.O.M., de Carol Gay

Elaborada em mármore, vidro e LED. A ideia de criar um amplificador de som surgiu por meio de experimentações e percepção do som no encontro do vidro. Uma peça de aço foi usada para criar a deformação na superfície do vidro que serve de apoio para o emissor de som. Através dessa deformação também é difundida a luz pela peça. A base em mármore é uma composição de formas geométricas usada em contraste com a forma orgânica do vidro.

Porva, de Inês Schertel

A peça Porva, desenvolvida manualmente pela designer Inês Schertel, leva várias camadas de lã crua feltradas manualmente pelo processo de slow design. Com tiragem limitada, foi desenvolvida especialmente para o evento.

Motivos para visitar o Alasca nesta temporada

O Panhandle do Alasca, também chamado de sudeste do Alasca, é mais visitado no verão (de junho a setembro no hemisfério norte), quando as temperaturas são mais amenas e a desova dos salmões atrai animais selvagens para a costa. Dada a solidão dessa parte do estado, é melhor visitá-la de barco, mas não de cruzeiro. Em vez disso, opte por um navio de expedição, no qual você poderá entrar em áreas que não são acessíveis para embarcações gigantescas e mergulhar na magia que a região tem a oferecer. Líder nesse tipo de experiência, a Lindblad Expeditions leva apenas 62 pessoas a bordo do navio, criando uma vivência muito mais íntima e memorável.

A empresa se uniu à National Geographic em 2004, oferecendo aos viajantes a oportunidade de atravessar as águas com fotógrafos, pesquisadores e naturalistas profissionais. É um plano que resulta em aventuras enriquecedoras de exploração e educativas. E como todos a bordo procuram por esses momentos genuinamente significativos e autênticos, há uma camaradagem comum que é contagiante, tornando a viagem ainda mais incrível. Além disso, as práticas ambientalmente conscientes da companhia, como não usar plástico descartável, são admiráveis.

Para começar, o desembarque é em Juneau, a capital do estado. Pode ter neblina, e o clima provavelmente será um pouco chuvoso, mas o ar frio e fresco é revigorante. Respire fundo, observe toda a bela vegetação a sua volta e prepare sua capa de chuva e botas impermeáveis, pois será uma viagem única.

1. Vida selvagem em seu habitat natural

Se você só viu animais em ambientes controlados, terá uma grande surpresa. Não há nada que se compare a presenciar um urso caçando salmões, lontras marinhas à deriva ou águias em pleno vôo. Mas uma coisa que você realmente precisa ficar de olho são as baleias jubarte. Se você tiver a sorte de encontrar essas criaturas magníficas, poderá vê-las se alimentando por meio de uma técnica conhecida como “cortina de bolhas”, na qual mergulham sincronizadamente sob os cardumes e eliminam o ar quando submersas, formando uma espécie de paredão de bolhas que cerca e prende o cardume de krill ou de pequenos peixes. Logo em seguida, elas sobem em direção à superfície entre as bolhas com a boca aberta e as pregas ventrais expandidas, preenchendo a cavidade bucal com alimento e água. Em situações como essa, você ficará feliz por ter optado por um fornecedor que faz uma parada para contemplar a cena em vez de ter que seguir um cronograma rigoroso.

2. Paisagem extraordinária

Ao entrar no fiorde de Tracy Arm, você ficará impressionado com as falésias que pairam a mais de 900 metros de altura e as inúmeras cachoeiras. É inevitável parar em uma das duas geleiras conhecidas como Sawyer e South Sawyer Glacier. No entanto, os icebergs azuis estão se perdendo, por isso é melhor ver essas formações logo. Depois, há o Glacier Bay National Park e o Preserve, onde há o que parece ser quilômetros infinitos de neve e gelo. Quando parar em Haines, reserve uma excursão com a Mountain Flying Service – que pertence e é operada por um casal – e se maravilhe com o deserto do Alasco a bordo de um avião. Há uma boa chance de ver algumas cabras montesas pelo caminho. Por último, cruze os dedos para conseguir ver a aurora boreal.

3. Aprenda sobre a cultura indígena

Ao longo do rio Chilkat, perto de Haines, encontra-se Klukwan, a antiga casa da tribo Tlingit, a única comunidade no sudeste do Alasca a ser governada por seu próprio conselho tribal. Faça uma visita à vila e conheça o Centro do Patrimônio Cultural de Jilkaat Kwaan para aprender sobre esses nativos do Alasca, sua história e o que eles estão fazendo para preservar sua terra de origem.

4. Exercícios físicos

Se você tem procurado motivação para se exercitar novamente, o local certamente servirá como motivação. Embora as atividades não sejam extenuantes, elas o deixarão animado e ativo. São diversas caminhadas por trilha, além de caiaque, stand-up paddle e ciclismo.

5. Desconexão e conexão

O wifi é escasso neste destino remoto. Muitas vezes, o sinal estará indisponível, o que é uma ótima desculpa para desconectar-se completamente e se relacionar com seus novos amigos de viagem. Se você estiver levando as crianças, deixe os dispositivos de jogos portáteis para trás. Não se esqueça de conversar com as pessoas que participam das excursões com você e das refeições. Com certeza você ouvirá histórias inacreditáveis.

Viagem – Saindo do comum, mas com luxo

Uma das maiores tendências no turismo de luxo é fazer diferente e apostar tanto em novos destinos quanto em experiências inusitadas. Bons exemplos disso são: Conhecer restaurantes subqaquáticos, se hospedar em hotéis de gelo ou até em iglus, hotéis com serviços personalizados para cada hóspede, viajar pra o Alasca ou passar alguns dias em um castelo de verdade pela Europa.

A preferência da vez é pelo frio!

Destinos com o clima frio tem sido a escolha principal dos viajantes de luxo. Unindo a tendência de sair do comum, os Cruzeiros para o Alasca têm feito muito sucesso, Islândia também é um dos lugares mais cobiçados da vez, Canadá no inverno e até a Antártica está ganhando vez. Sem contar nas inúmeras estações de ski pelo mundo como Vail, Valle Nevado, Aspen e Chamonix por exemplo.

Não focar só nos pontos turísticos

Visitar os pontos turísticos de um lugar, principalmente quando ele é desconhecido, é mais do que comum e deve ser feito com toda certeza. Porém, a tendência maior para 2018 é fazer novas descobertas em seu destino e fazer um caminho diferente do que guias e sites de viagens indicam, ou seja, tentar sair um pouco da visão de viajante e entrar um pouco no dia a dia dos nativos. Conhecer restaurantes frequentados por locais, degustar vinhos da região, provar a gastronomia rotineira, aprender o idioma e se aprofundar na vida tradicional de moradores são ótimos exemplos para isso. Adoro fazer isso, viver como uma local!

Vá para a África!

Além da África do Sul, um destino muito procurado em 2017 também, o continente africano em geral será explorado mais esse ano. Isso por quê esse é um roteiro que também abrange muito a tendência “saindo do comum”. Por lá as experiências são inusitadas em diversos países, como por exemplo: Se hospedar em hotéis à céu aberto em desertos – O Resort Tsawalu Kalahari na África do Sul é uma ótima sugestão para isso -, interagir com animais selvagens nos inúmeros safarias que a região oferece, conhecer um dos diversos resorts no deserto como o Wolwedans Dunes Lodgee na Namíbia e até ir de encontro com gorilas em um trekking feito no Parque Nacional de Virunga em Ruanda.

Viagem em família

Reunir a família toda será uma das grandes tendências de viagens de luxo em 2018, tanto que até ganhou um nome para esse nicho: Turismo Multigeracional – Quando diversas gerações da mesma família se reúnem para embarcar em uma experiência juntos. Exemplos disso são: os cruzeiros de luxo, alugar casas em vilas da Europa ou até reunir todos para passar uma temporada em uma ilha exclusiva como em Zanzibar, na Tanzânia por exemplo.

BMW R80 – Essa moto é o futuro em duas rodas

Quando você pensa em motocicletas do futuro já imagina aquelas estilo Akira, certo? Bom, a empresa francesa Barbara Custom quis fazer algo mais factível e deu um tapa na BMW R80 com o conceito futurista “Black Mamba”.

A moto feita por eles mantém uma série de elementos característicos da Série R, como o motor de cabeçote duplo e carburadores distintivos – além de uma série de novos ajustes. Entre eles, um braço oscilante RnineT e garfos dianteiros USD, que foram adicionados ao chassi e ao motor R80 existentes.

20

O protótipo também apresenta um design radical de peça única, juntando assento, tanque e farol em uma única peça. O futuro em duas rodas.