Como vivem os moradores dos lugares com o maior número de centenários

Enquanto a ciência e a tecnologia quebram a cabeça na incessante luta para controlar o tempo e retardar o inevitável, cinco pequenas aldeias, sem sinal de wi-fi e longe de estarem em seus últimos dias, provam que velhos e bons costumes ainda são o melhor remédio para uma vida senão mais feliz, muito mais duradoura. Batizadas “blue zones” pelo astrofísico belga Michel Poulain e pelo médico italiano Gianni Pes, elas não são exatamente um “achado”, mas a redescoberta de hábitos que perdemos no meio do caminho entre a universidade e o sonho de conquistar o mundo. Não tem mistério, nem segredo, difícil mesmo é levar, na prática, a mesma vida dos vovôs e vovós azuis.

Durante 10 anos, em parceria com o jornalista americano Dan Buettner, a dupla de estudiosos acompanhou o dia a dia de moradores da província de Nuoro, na Sardenha; das ilhas de Icária, na Grécia, e Okinawa, no Japão; da península de Nicoya, na Costa Rica; e da vila de Lomo Linda, no sul da Califórnia. Em comum, elas apresentam uma taxa altíssima de centenários – 45% superior à média das nações mais longevas do mundo. E não é que eles vivem apenas mais, vivem muito melhor. A descoberta é a de que sua rotina é mais ou menos a que os nossos antepassados – quase os recolectores retratados no best-seller Sapiens: uma breve história da humanidade, de Yuval Noah Harari – tinham, e seguiam, sistematicamente.

Eles caminham, aram a terra e cuidam dos jardins, arrumam a casa, enfim, executam atividades que exigem um mínimo de movimento lento e constante. E todas as manhãs têm um ‘projeto’, como uma lista de afazeres. O que os okinawanos chamam de ‘ikigai’ e os nicoyanos de ‘plan de vida’.

Apenas por terem um motivo para acordar de manhã, já se tornam mais saudáveis, felizes e, de acordo com Gianni, especializado em geriatria, com sete anos de expectativa de vida extra. Outra: todos possuem ‘rituais’ antiestresse: na Sardenha, o happy hour é sagrado; a turma de Okinawa tira cochilos ao longo do dia e os adventistas de Loma Linda rezam – mais pelos outros do que por eles, sem distinção de cor, credo, raça ou religião. Claro que a alimentação é essencial para a saúde, mas não existe dieta calculada, restrição ou super food da moda: eles apenas comem pouco à noite e o suficiente durante o dia para se sentirem leves – já ouviram falar da regra 80? Parar de comer quando o estômago está a 80% de sua capacidade? É por aí… E no prato, muitos grãos e quase nada de carne – seja vermelha ou branca. E bebem vinho, lógico (mas nunca a sós).

Aliás, amizades são outro fator-chave para a longevidade deles, que mantém laços estreitos com vizinhos e familiares, levando a sério o senso de comunidade. E mais: não levam desaforo para casa, resolvem tudo no mesmo dia. Há até encontros para ‘brigas’ – em Okinawa, os mesmos velhinhos discutem a mesma questão há 40 anos e nunca chegam a um denominador comum. O Brasil tem potencial enorme para entrar no círculo de felicidade das blue zones, há cidades para isso e, mais ainda, há gente para isso – pessoas positivas e otimistas. Imaginem só se Alto Paraíso ou a região da Bocaina, até mesmo o Rio de Janeiro e aquelas estâncias hidrominerais em Minas Gerais não têm tudo para entrar na seleta lista?

Buettner tem exportado o estilo de vida para outras comunidades no mundo com o objetivo de criar novos cinturões azuis. O primeiro foi em Albert Lea, no Minnesota, e os resultados foram encorajadores. Desde 2009, a expectativa de vida na pequena cidade aumentou em três anos. A teoria é a mais simples possível e muito mais eficaz do que qualquer curso de mindfulness ou retiro de yoga já praticado na Terra, a questão é muito mais se queremos, de fato, abrir mão de antigos vícios de comportamento que nos dão bem-estar imediato e a ilusão de que estamos no caminho certo por apenas seguir os mesmos rastros de nossos amigos bem-sucedidos. A contar pela originalidade, simplicidade e falta absoluta de ambição capital dos moradores azuis, acredita-se que a fonte da juventude ainda seja a troca, a divisão, a soma e o diálogo. É desta água que sempre beberemos.

Paraíso na Riviera Turca, Kaplankaya é onde o empresário Burak Öymen e a mulher, a ex-modelo tcheca Tereza Maxová, recebem amigos e hóspedes da geração “JOMO” (Joy Of Missing Out) a cada verão. Além de ser uma super eco-villa e hotel, desde o ano passado o lugar é palco do ‘Harvest’, primeira conferência sobre bem-estar no Oriente Médio. Na primeira edição, em outubro passado, gurus e nomes-chave do wellness deram alguns caminhos para a nova era: técnicas de respiração, conversas sobre ancestralidade, meditações para a vida prática, alimentação – temas mais do que nunca necessários na pauta mundial. Em maio acontece a segunda edição do evento, mais uma rodada com três dias de imersão profunda no coração do Egeu turco. A propósito, o lugar é forte concorrente ao selo azul. Seus habitantes em suas rotinas anacrônicas fazem visitantes pensarem que todos ali nasceram há dez mil anos atrás. Nada mais sensível e apropriado que voltar à cena onde antigas civilizações sabiam que beleza e paz de espírito valem mais que os bitcoins somados pelo seu amigo londrino.

Respirar pela boca pode influenciar sua saúde bucal?

A respiração deve ser realizada através do nariz. A boca deve permanecer fechada, mas sem esforço e os lábios relaxados e em contato um com o outro. Quando o ar passa pelas narinas, ele é filtrado, aquecido e umedecido até chegar aos pulmões.

Porém, quando ocorre algum tipo de obstrução nasal, como um nariz entupido, e ainda, adenóides ou amígdalas proeminentes, a respiração pela boca pode parecer uma boa alternativa. Contudo, o ar ao passar pela boca não realiza o mesmo processo, comprometendo a qualidade do ar captado, além disso, pode ocasionar diversos problemas por conta desta prática que parece tão simples. A respiração oral pode deixar o céu da boca mais profundo, os dentes tortos, causar gengivite e mastigação inadequada.

Respirar pela boca pode influenciar sua saúde bucal

Quem mais sofre com os distúrbios respiratórios?

Os distúrbios respiratórios costumam ser mais frequentes durante a infância e em pessoas que têm rinite, sinusite, desvio de septo ou outras alergias.

Como identificar possíveis sintomas de privação da respiração nasal?

Alguns sinais costumam aparecer quando o corpo é privado dos benefícios da respiração nasal e adota a respiração bucal, como por exemplo, boca aberta, olheiras, sono inquieto, roncos, sede noturna, fadiga, dificuldade de concentração, entre outros.

Respirar pela boca pode influenciar sua saúde bucal

Distúrbios do sono e comportamentais

A respiração bucal é uma disfunção que muitas vezes aparece no início da infância e pode ter muitas consequências. Uma delas, a perturbação do sono. A respiração pela boca impede a entrada na fase do sono profundo causando noites inquietas. O resultado é o cansaço diurno que ocasiona distúrbios comportamentais: irritabilidade, hiperatividade, dificuldades de concentração etc.

Consequências da Respiração Bucal: Infecções

As potenciais consequências da respiração bucal são: Resfriados, dores de garganta, infecções de ouvido etc. Isso porque, normalmente, o nariz aquece, umedece o ar e filtra partículas maiores através dos cabelos na entrada das narinas. Este sistema é a primeira barreira imune. Já a respiração oral, deixa o indivíduo exposto a um número maior de infecções, visto que o ar de entrada é frio e ainda carregado com bactérias.

Outra das principais consequências negativas da respiração bucal é um crescimento patológico dos maxilares e da face.

 

Viagem- 3 novos hotéis luxuosos de esqui na Europa

Talvez você seja uma daquelas pessoas que detesta o inverno, mas, para esquiadores e snowboarders, três meses da estação mais fria do ano nunca são suficientes. Principalmente aqueles interessados em hospedagens de luxo na Europa ávidos por conhecer novas alternativas.

Daria-I Nor, Alpe d’Huez, França

Hotéis cinco estrelas nos Alpes não surgem todos os anos, e é por isso que Daria-I Nor se destaca na estância francesa Alpe d’Huez. Da mesma rede do Hotel Koh-I Nor, em Val Thorens, e do Hotel Taj-I Mah in Arc 2000, em Bourg-Saint-Maurice, o novo estabelecimento conta com 46 quartos e suítes, incluindo alguns duplex, com paredes de madeira aquecidas, mantas felpudas e estilo simples e delicado, típico dos frances – que parecem tê-lo dominado. Localizado próximo aos teleféricos de Les Bergers, o hotel possui acesso direto às pistas de esqui. Além de um spa de, aproximadamente, 800 metros quadrados, a propriedade ainda possui duas piscinas, duas saunas, um hammam (banho turco), uma jacuzzi, um solário e um lounge com lareira. O hotel dispõe de dois restaurantes: o L’Améthyste, mais gourmet, com vistas espetaculares da montanha, e o Table de Daria, um pouco mais descontraído, com receitas típicas da região montanhosa. As diárias são de US$ 415 nos quartos mais simples, com café da manhã incluso.

Le Cerf Amoureux, Megève, França

A cidade francesa de esqui Megève poderia, facilmente, ser um dos distritos de Paris, de tão parisienses que são seus hóspedes, seus hábitos e seus gostos são. A família Rothschild estabeleceu seu legado na cidade há várias gerações, mas a estação de esqui perto do Mont Blanc está ficando mais moderna. Prova disso é o Le Cerf Amoureux, que tem uma aparência discreta de chalé, com madeira branqueada, tecidos neutros e minimalismo rústico. A propriedade é um projeto da hoteleira parisiense Lisa Konckier, responsável pelo Hotel de Nell, localizado na capital francesa.

O hotel tem apenas 12 quartos, que contam com detalhes como persiana e teto de duas águas. A vista para o Mont Blanc é um luxo para os visitantes. Antiguidades como cômodas vintage foram colocadas nos quartos, e trenós antigos estilo Davos servem como mesas. Um estúdio de ioga, um spa e uma sala de triagem oferecem relaxamento aos clientes pós-esqui. Os quartos da propriedade contam com preços a partir de US$ 230 por dia.

Hotel Le Massif, Courmayeur, Itália

Courmayeur fica situada no lado italiano do túnel do Mont Blanc, que se conecta a Chamonix, na França. O Hotel Le Massif está localizado no centro da cidade, a poucos minutos dos teleféricos. Como parte de uma das principais bandeiras do mundo, o local foi projetado pelos arquiteto italiano Fabrizio Gandolfo e pelo Inart Studio.

A decoração dos 78 quartos e suítes faz uso de painéis de madeira e pedra, o que oferece um resultado de muito bom gosto. O hotel conta com um concierge de esqui, um spa, dois bares e dois restaurantes: um mais gourmet, o Cervo Rosso Steakhouse, e um mais casual, o Chetif. Uma estadia no hotel dá direito a outros privilégios, como acesso prioritário ao elegante restaurante e clube à beira das montanhas, o La Loge du Massif. Os preços começam em US$ 400 por noite.

Bruxismo na infância pode comprometer o posicionamento correto dos dentes

Uma disfunção comum e que afeta cerca de 80% das pessoas até a fase adulta é o bruxismo, hábito noturno e involuntário do corpo caracterizado pelo ranger ou apertar de dentes durante o sono. O que muitas pessoas não sabem é que o bruxismo é um problema muito comum também durante a infância e precisa ser acompanhado pelos pais e pelo odontopediatra para evitar ou minimizar danos à saúde bucal.

Bruxismo na infância pode comprometer o posicionamento correto dos dentes

O bruxismo na infância pode ter muitas causas, porém, está muito associado a fatores emocionais como o estresse e a ansiedade. No caso das crianças que apresentam essa disfunção, é importante observar as situações que fazem parte do seu dia a dia e que podem favorecer o estresse, como um ambiente familiar conturbado ou problemas com o bullying escolar.

Na infância, o bruxismo pode comprometer o posicionamento correto dos dentes, a harmonia dos arcos dentários e causar atraso no tempo de erupção dos dentes de leite. Além disso, outros problemas característicos são as fraturas dos dentes, problemas na gengiva e na ATM (articulação da mandíbula), dores de cabeça e desconforto na mastigação.

Bruxismo na infância pode comprometer o posicionamento correto dos dentes

Além das visitas periódicas ao odontopediatra, a recomendação é que os pais estejam sempre atentos aos comportamentos das crianças, à forma como reagem perante situações adversas e verifiquem a qualidade do sono dos filhos. São informações valiosas para encontrar a causa do problema e atuar de forma efetiva.

Como se tornar um CEO de sucesso

O que você faria se fosse nomeado o CEO da sua empresa em um piscar de olhos? A resposta de um candidato a essa questão pode fornecer muitos insights sobre o que ele pensa a respeito da empresa, o cenário competitivo e o trabalho de um líder. Também ajuda a testar a verdadeira disponibilidade dos candidatos para o principal cargo da empresa.

O pensamento por trás da resposta pode ser tão ou mais importante do que a própria resposta. Falar que faria muitas coisas ou apontar algumas iniciativas estratégicas, por exemplo, não demonstra necessariamente a prontidão do candidato em se tornar um CEO, e pode criar uma impressão de que ele está ansioso ou é arrogante. Já uma pausa longa demais, seguida de uma reflexão extensa, pode ser encarada como um sinal de despreparo.

 

Nos setores industriais e diversificados de manufatura, as empresas são, muitas vezes, lideradas por executivos que são engenheiros de formação e, por meio de treinamento, desenvolveram as habilidades necessárias para completar a natureza pragmática de seus negócios. O conhecimento técnico necessário para executar a estratégia de produtos para, digamos, um fornecedor aeroespacial e de defesa, é muito diferente do conjunto de habilidades necessárias para desenvolver produtos em uma empresa de roupas de varejo.

Dito isso, o supply chain é o supply chain, finanças são finanças e operações são operações, certo? Errado. O fator variável em todas essas comparações são as pessoas. Não há nenhuma quantidade de aprendizado de máquina suficiente capaz de ensinar um CEO a motivar seus funcionários, a negociar o melhor acordo com seus clientes, a defender e catalisar a mudança de cultura ou a construir um ambiente que promova a diversidade e a inclusão.

A diretoria de uma empresa costuma deliberar sobre a experiência dos candidatos antes de escolher o próximo CEO. A vivência é o que os leva ao cargo, no entanto, o ajuste à visão do conselho do contexto para o papel é o que leva à seleção. Além disso, o alinhamento e a adequação com o conselho são fundamentais para o sucesso como CEO, garantindo que uma forte cultura seja construída. Isso se manifesta, especialmente, em situações sustentadas por operações de private equity, que geralmente começam e terminam com metas exigentes.

Dicas de como se tornar um CEO de sucesso:

Presença executiva

Isso não significa apenas olhar para a aparência. Todos nós conhecemos alguns ternos caros habitados por personalidades vazias. A presença executiva é a forma como a pessoa se comunica na empresa, sempre com respeito. Alguém que pode articular tópicos complexos de uma maneira simples. Alguém que não está apenas esperando sua vez de falar, mas que escuta e responde depois de pensar sobre a questão de forma lógica. Um líder que pode entrar nos detalhes com rigor analítico e demonstrar sua paixão pelo negócio e sua vontade de investir tempo para entender a situação, a estratégia, a execução e, claro, o resultado.

Capacidade de entender o seu público

Muitas vezes, os executivos simplesmente não sabem o que o seu público precisa ouvir ou como articular uma mensagem que possa ajudar a impulsionar os resultados. Se o moral dos funcionários for baixo e o líder adotar uma abordagem mais de cima para baixo, por exemplo, é provável que não obtenha o resultado desejado. Da mesma forma, se os funcionários deram tudo de si, eles podem esperar por reconhecimento. Os melhores CEOs são capazes de “ler” seus funcionários e clientes, compreender que a constante mudança é normal, e obter resultados e respostas com mais rapidez. E, para fazer isso, é necessário manter o ego sob controle, compartilhar o crédito e se enxergar como parte da equipe. Essa é uma habilidade especialmente crítica em ambientes nos quais cada pessoa tem uma agenda diferente.

Senso de humor

Todos nós conhecemos pessoas que se levam muito a sério. Como CEO, o funcionário pode estar no caminho mais rápido para um ataque cardíaco ao não lançar mão dessa característica. Ser capaz de rir de si mesmo, aprender com os erros e encontrar um terreno seguro para compartilhar gargalhadas pode gerar um grande impacto na maneira como a pessoa é percebida pelos funcionários e ter uma enorme influência na cultura da empresa. O clichê “ninguém se importa com o quanto você sabe até que eles saibam o quanto você se importa” serve muito para estes casos.

Domínio do tempo

Uma das melhores e mais esclarecedoras conversas sobre este tópico se deu entre Bill Gates e Warren Buffett, quando ambos discutiam a importância dos CEOs terem controle sobre seus próprios horários e como usam seu tempo. Neste diálogo, os bilionários chegaram à conclusão que os CEOs são mais eficazes quando reservam um tempinho para pensar e refletir todos os dias. No mundo empresarial, tempo é a única coisa que o dinheiro não pode comprar.

Consistência e transparência

Para ser um líder eficiente e garantir o alinhamento com a visão e a estratégia, nada é mais importante do que transmitir uma mensagem consistente sobre a visão e os objetivos da empresa e ser transparente quanto ao seu progresso e desafios. CEOs que fomentam uma cultura onde a má notícia é punida e, em última análise, suprimida, provavelmente não serão bem-sucedidos no longo prazo. A transparência pode ajudar a motivar os funcionários, além de proporcionar um senso de propósito vinculado aos objetivos da empresa, assim como seu papel para alcançá-los.

Cinco meios de transporte elétricos para você usar

O verão é a época de sair de casa e dar uma volta, certo? Mas se você está cansado de pedalar ou simplesmente quer dar uma folga para sua magrela, então por que não experimentar um veículo elétrico?

Existem opções bem interessantes que não queimam combustíveis fósseis para os mais variados trajetos: de passeios no parque às viagens maiores. Se liga.

Nunca viu alguém andando de patinete na rua? Então pode ir se acostumando com a ideia, por que eles querem invadir o Brasil. Empresas como a Yellow, a Grin e até a Uber já operam ou tem planos de operar por aqui com os elétricos – que caíram no gosto de quem se desloca por trajetos curtos e planos.

Bikes

Se a ideia for andar um pouco mais ou encarar umas subidas, uma bike elétrica pode ser a solução. Uma General Wings E-Tank, uma Vela, Lev ou uma EDG criada por Lucas Di Grassi podem ser bons modelos para quem quiser investir em uma.

Scooters

A scooter da Riba Share (Foto: Divulgação)

Até as motos urbanas parecem ter caído no encanto do compartilhamento. Neste verão, a empresa Riba Sharecomeça a distribuir scooters por São Paulo. O esquema é parecido com o das bikes: você reserva pelo aplicativo, usa e estaciona dentro da zona permitida, pagando por minuto. Ah, precisa ter carteira de motorista, claro.

Harley-Davidson

A Harley-Davidson LiveWire (Foto: Divulgação)

Agora, se o seu estilo for mais Easy Rider, há também uma novidade para experimentar. A Harley-Davidson anunciou durante a CES, em Las Vegas, que começou a receber encomendas antecipadas da  LiveWire, motocicleta totalmente elétrica que ele a fabricante exibiu pela primeira vez em 2014. Sim, uma Harley elétrica.

Carros

Renault Zoe (Foto: divulgação)

Quem quiser pegar a estrada com mais conforto pode, claro, recorrer aos carros elétricos. Entre algumas novidades que devem pintar em 2019 (como vimos no Salão do automóvel de 2018) e que valem a pena conhecer estão: o Renault Zoe, primeiro veículo 100% elétrico da montadora; o Kia Soul EV, versão elétrica do queridinho de anos atrás; e o E-tron, da Audi, que faz de 0 a 100 km/h em 5,5 segundos.

Os cuidados com a saúde bucal começam na gestação

Muitas pessoas questionam-se sobre uma dúvida comum: quando iniciar os cuidados com a saúde bucal? Hoje, com as novas tecnologias e procedimentos os cuidados dentários começam ainda na gestação!

Uma gestante com uma saúde bucal adequada certamente terá um bebê com peso bom, numa época adequada.

Por conta de alguns hormônios como o estrógeno e a progesterona, que são produzidas com uma intensidade grande pela placenta no período gestacional, isso leva também à produção de prostaglandinas, que podem estimular um parto prematuro quando as mães têm algum problema bucal.

Cuidados com a saúde bucal começam na gestação

manter a saúde bucal é de extrema importância.

 

Por isso, manter a saúde bucal é de extrema importância.

Depois, quando o bebê nasce, já com 8 meses iniciamos um trabalho preventivo e isso se perpetua por meio dos controles periódicos e motivacionais, que podem ser realizados de 2 em 2 meses.

O paciente quando se habitua a ter uma boca limpinha fica extremamente fácil de manter, porque ele sente a necessidade da higienização. É uma questão de cultura. Há 10, 12 anos, sofria-se muito no dentista. Hoje é possível encontrarmos adolescentes e adultos sem cárie. E tudo isso é possível com a prevenção.

O sorriso vai além da saúde.

Ele mexe diretamente com a autoestima da paciente. Um sorriso bonito te dá segurança para viver melhor nos meios sociais, por isso, mais uma vez, cuidar da saúde como um todo traz um bem estar sistêmico.

Pra quem usa aparelho, os cuidados devem ser mais intensos, já que seu uso faz com que a retenção de placa bacteriana aumente muito. Por isso, é muito importante motivar a higienização. Existem escovas específicas, fios dentais específicos para ser utilizados em pacientes com aparelhos ortodônticos.

O uso do aparelho invisível não é só estético e funcional. Para os adultos que não tiveram a oportunidade de usar o aparelho quando crianças, hoje existem opções e técnicas específicas, aparelhos específicos que permitem uma maior movimentação e menos consultas ao cirurgião-dentista.

Hoje, a tecnologia está trabalhando muito a nosso favor. Dentes tortos podem gerar vários problemas, como problemas articulares, dores de cabeça, até mesmo um câncer bucal. Uma vez que os dentes são muito tortos, podem gerar um trauma na boca, então é de extrema importância manter uma saúde bucal adequada e consultar um cirurgião-dentista a cada 6 meses.

Cuidados com a saúde bucal no verão

O verão termina oficialmente em 20 de março, mas para nós brasileiros as altas temperaturas típicas da estação seguem adiante – especialmente para quem vive nas regiões Norte  e Nordeste do país. Dias mais quentes e longos feriados alteram a nossa rotina alimentar e os nossos cuidados com a saúde bucal para pior – porém, com pequenas mudanças, o seu sorriso chegará intacto à próxima estação.

A saúde bucal é prejudicada no verão pelos longos períodos em que não higienizamos a boca- com as nossas dicas, você curte as festas e ainda sorri mais bonito

Higiene bucal x churrascos e dias na praia

Os adultos e, principalmente, as crianças ficam mais expostos a alimentos cariogênicos durante os mais quentes: as pessoas acabam ingerindo mais sorvetes e refrigerantes, as crianças comem mais doces e salgadinhos – em alguns casos, eles se tornam até refeições! Esse excesso de carboidratos é prejudicial à saúde bucal.

As crianças ainda não têm esse senso de responsabilidade. No verão, elas estão mais suscetíveis a alimentos cariogênicos como refrigerantes, que são ácidos, e sorvetes.

Uma situação em que isso fica bem claro são os dias em que a família passa todo na praia ou em churrascos.  São horas e horas comendo, bebendo refrigerantes e cervejas, sem que haja a devida higienização.

O acúmulo de restos de alimentos e a ingestão constante de bebidas ácidas e alcoólicas (refrigerantes, cerveja, caipirinha…) tornam o ambiente bucal mais sucessível ao desenvolvimento de cáries e da doença periodontal (gengivite).  Além disso, longos períodos sem higienização elevam as chances do aparecimento do mau hálito – e com ele, não tem amor de verão que suba a serra.

 

Dicas de livros para ler nas férias

Ahhhh, férias! Chegou o tempo de descansar e tentar fugir esquecer tudo que precisamos fazer quando a folga acabar, e nada melhor do que se perder em um bom livro para isso.

Por isso separamos algumas dicas de livros para você curtir essas férias de verão acompanhado de boas histórias na praia, na rede, na beira da piscina, no sofá, no ônibus…

A Glória e Seu Cortejo de Horrores – Fernanda Torres

Depois do ótimo “Fim”, Fernanda Torres voltou com outro livro encantador em 2017: “A Glória e Seu Cortejo de Horrores”. O título é uma frase de sua mãe, Fernanda Montenegro, que resume bem os altos e baixos na vida de um artista. No livro, Mario Cardoso é um ator carioca que narra os bastidores do teatro, televisão e cinema da década de 60 até os dias de hoje. Acompanhamos o início de sua carreira nos palcos, sua ascensão até o posto de galã e o momento em que é reconhecido como um ícone da teledramaturgia. Quando atinge a meia idade, Mario resolve se arriscar nos palcos com uma nova releitura de Shakespeare. A empreitada acaba em um fiasco total.

O Homem que Buscava Sua Sombra – David Lagercrantz

O quinto volume da saga Millenium, aquela que começou com “Os Homens que Não Amavam as Mulheres”. Assim como o quarto livro, “O Homem que Buscava Sua Sombra” é escrito por David Lagercrantz, que assumiu a franquia após a morte de Stieg Larsson. Lisbeth Salander começa este livro trancafiada em uma prisão de segurança máxima. Mas ainda assim consegue se unir ao jornalista Mikael Blomkvist para resolver o mistério envolvendo um grupo criminosos que coloca todos em perigo, inclusive o ex tutor da hacker, Holger Palmgren.

No Seu Pescoço – Chimamanda Ngozi Adichie

Contos são sempre uma boa para a época de férias, já que você acaba uma historinha rapidinho, deixa o livro de lado para fazer outras coisas, e volta para outras histórias. Em “No Seu Pescoço”, a premiada escritora Chimamanda Ngozi Adichie traz doze contos que exploram a imigração, o preconceito racial, e conflitos religiosos, sempre com personagens nigerianos que ainda vivem no país ou emigraram para os Estados Unidos.

50 Contos de Machado de Assis

Já que estamos falando de contos, por que não investir na nossa própria literatura, e no principal nome dela: Machado de Assis? Esta coletânea (que já foi publicada há alguns anos) traz alguns dos melhores escritos de Machado, organizados em ordem cronológica de publicação e algumas informações sobre como cada uma das histórias foi publicada. Esta é uma boa escolha para quem quer conhecer mais da literatura brasileira sem ser cansativo.

Origem – Dan Brown

Mais uma saga que ganhou continuação em 2017. Desta vez Dan Brown leva o simbologista Robert Langdon para a Espanha, passando por Bilbao, Madri, Sevilha e Barcelona em uma caçada por mais pistas escondidas em obras de arte e arquitetura de Gaudi.

Hebe: A Biografia – Artur Xexéo

Gosta de televisão? Então este livro te ajudará a entender a história de um dos maiores nomes da televisão brasileira, Hebe Camargo, que morreu em 2012. Além de acompanhar toda a trajetória de vida da apresentadora que distribuía “gracinhas” e selinhos em seu programa, o livro também dá um panorama da história da própria televisão brasileira.

Tartarugas Até Lá Embaixo – John Green

Depois de seis longos anos de espera, John Green presenteou seus fãs com “Tartarugas Até Lá Embaixo”, o seu título mais pessoal. Na história temos Aza Holmes, uma adolescente que lida com transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), e com a ajuda da amiga Daisy busca pistas para desvendar o misterioso desaparecimento de um bilionário da região, em troca de uma grande recompensa em dinheiro. Aza sofre diariamente com pensamentos intrusivos e com o pavor de contrair uma bactéria capaz de matar em questão de horas.

Nobel de Literatura

Você lembra quem ganhou o Nobel de Literatura em 2017? Foi o escritor nipo-britânico Kazuo Ishiguro, e há vários títulos dele publicados no Brasil, abordando diversos gêneros, como drama de viagem em “Os Vestígios do Dia”, fantasia em “O Gigante Enterrado”, contos em “Noturnos”, ficção científica em “Não Me Abandone Jamais”, e romance com ritmo policial em “Quando Éramos Órfãos”.

Na Minha Pele – Lázaro Ramos

Apesar de não ser uma biografia, Lázaro Ramos divide vários fatos sobre sua vida pessoal nas curtas crônicas de “Na Minha Pele”, discutindo temas como gênero, discriminação, empoderamento e família.

Objetos Cortantes – Gillian Flynn

Gostou de “Garota Exemplar”? Sabia que outro livro da mesma autora vai ganhar uma adaptação, mas agora para a TV? “Objetos Cortantes” vai virar uma série da HBO protagonizada por Amy Adams em 2018. Por isso, aproveite para ler esta trama de mistério antes de sua adaptação estrear. O livro acompanha Camille, uma jornalista que precisa retornar a sua cidade-natal para investigar o assassinato de duas meninas. Ela então volta a morar com sua mãe, a socialite Adora, com quem tem uma relação tóxica.

Retração gengival, um problema que tira o sono de muita gente.

A retração gengival é um das principais causas para consultas ao dentista. E com razão, já que a além dos danos estéticos ao sorriso, a recessão das gengivas traz consigo dores e até mesmo riscos para fraturas e perdas dentárias. E o pior de tudo isso é que o problema pode aparecer até mesmo em indivíduos com excelente padrão de escovação dos dentes. Nestes casos, tratar rapidamente a condição recessiva é a melhor ideia.

O tratamento da retração gengival varia de acordo com as causas. A mais comum é a periodontite, uma doença infecciosa associada à higienização oral deficiente cujos resultados é a reabsorção das gengivas e do osso que circunda as raízes dentárias. Nestes casos, a terapia básica envolve a remoção (raspagem) da placa bacteriana e tártaro localizados junto e abaixo das gengivas.

Retração gengival, um problema que tira o sono de muita gente.

Retração gengival, um problema que vem tirando o sono de muita gente.

A segunda causa mais frequente para o aparecimento precoce de raízes dentárias expostas é a pressão excessiva das cerdas das escovas dentárias contra os tecidos gengivas – o trauma gengival por escovação. O tratamento da retração gengival, nestas condições, faz-se através de novas instruções de higiene oral e seleção cuidadosa de instrumentos para limpar dentes e gengivas.

Gengivas finas, o biotipo que aumenta as chances para a retração gengival.

A retração gengival normalmente ocorre de maneira mais rápida em indivíduos com gengivas finas e delicadas. E quando as causas para a recessão das gengivas é a escovação e uso de fio dental de forma a traumatizar os tecidos, os riscos para a exposição das raízes dentárias fica ainda mais evidentes. O que fazer?

Os riscos para a retração das gengivas de biotipo fino aumentam ainda mais quando estas estão associadas a freios labiais, dentes mal posicionados e tratamento ortodôntico inapropriados. Além disso, várias pesquisas científicas indicam que a recessão das gengivas ocorre de maneira mais intensa quando causadas por doenças gengivais infecciosas como a gengivite ou periodontite. Nestes casos, um rol de procedimentos preventivos e cirúrgicos precisam se tomados com urgência.

Uso indevido do fio dental pode retrair gengivas finas.

Retração gengival, um problema que tira o sono de muita gente.

O biotipo gengival fino requer atenção redobrada na hora da higienização. Para se ter uma ideia da fragilidade dos tecidos gengivais delicados, até mesmo o fio dental pode ser o motivo para o aparecimento precoce de gengivas retraídas. E nem adianta parar de passá-lo, já que esta atitude pode resultar em doenças periodontais que destroem o osso que envolve as raízes.

 

Palitos de dentes, escovas interdentais ou instrumentos de higienização indicados para pacientes em tratamento com aparelho ortodôntico também trazem riscos para gengivas retraídas. De qualquer forma, a consulta ao dentista é o momento ideal para descobrir como limpar corretamente seus dentes sem riscos para traumas teciduais.