Peças de design colecionáveis da 6ª edição MADE

A 6ª edição da MADE (Mercado.Arte.Design), a primeira e maior feira de design colecionável da América Latina trouxe muitas novidades. A edição deste ano reuniu mais de 100 expositores, nacionais e internacionais, até o dia 1o de julho no Pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Os sócios Waldick Jatobá, Elcio Gozzo e Bruno Simões são os idealizadores do evento.

Todos os anos, a iniciativa tem como base um tema relacionado ao universo criativo do design. Em 2018, o mote é Machine Art after Philip Johnson, inspirado na exposição de 1934 do Museu de Arte Moderna de Nova York, o MoMA, que, na época, trouxe pela primeira vez o design industrial para dentro de um museu, elevando os utensílios ao status de escultura.

Simultaneamente à feira, a programação também contou com talks, exposições, espaço gastronômico (com curadoria de pequenos produtores) e premiação.

Designers como os brasileiros Carol Gay e Zanini de Zanine exporam suas peças ao longo dos cinco dias do evento.

Carrinho Nelson Pequi, de Zanini de Zanine

Feito em madeira pequi, ipê e peroba de demolição, a peça faz parte da série Brinquedos Brasileiros do designer Zanini de Zanine para a Herança Cultural. A série resgata, por meio das memórias de infância do designer, o universo lúdico dos brinquedos artesanais em madeira. Com referências na cultura brasileira, uma seleção de jogos e objetos são apresentados e produzidos graças à carpintaria, utilizando madeira de reaproveitamento.

Mesa de Jantar Registro, de Leo Capote

Na mesa de Jantar Registro, o designer Leo Capote aposta na junção de aço, vidro e madeira, transitando entre momentos em que a utilização dos materiais rústicos apresentam uma elegância em formatos geométricos e novos dentro do nosso universo.

Coleção Tangível, de Fabiana Queiroga

Natural de Goiânia, Fabiana Queiroga é formada em Artes Visuais, com habilitação em design gráfico e pós-graduada em Arte Contemporânea pela Faculdade de Artes Visuais (FAV-UFG). Professora e pesquisadora, Fabiana atua ainda como artista plástica, designer de comunicação e moda, emprestando aos vários espaços que ocupa à multiplicidade de conhecimentos que acumula.

S.O.M., de Carol Gay

Elaborada em mármore, vidro e LED. A ideia de criar um amplificador de som surgiu por meio de experimentações e percepção do som no encontro do vidro. Uma peça de aço foi usada para criar a deformação na superfície do vidro que serve de apoio para o emissor de som. Através dessa deformação também é difundida a luz pela peça. A base em mármore é uma composição de formas geométricas usada em contraste com a forma orgânica do vidro.

Porva, de Inês Schertel

A peça Porva, desenvolvida manualmente pela designer Inês Schertel, leva várias camadas de lã crua feltradas manualmente pelo processo de slow design. Com tiragem limitada, foi desenvolvida especialmente para o evento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *